Em relação ao atual 1.5, ele promete aumentar o desempenho e reduzir emissões

  • Motor tem duplo comando (DOHC) e virabrequim mais leve
  • Potência chega a 121 cv e torque deve aparecer mais cedo
  • Oferta começará pelo mercado indiano

Uma das principais atrações da nova geração do Honda City, já à venda na Tailândia e esperada para o Brasil em 2021, é o motor 1.0 turbo de 3 cilindros e injeção direta. Mas haverá outra novidade sob o capô do sedã no mercado indiano - e que também pode chegar ao Brasil: o motor 1.5 L15B, que substitui o L15A usado até então. É basicamente a versão aspirada e sem injeção direta do 1.5 turbo que equipa as versões Touring de Civic e HR-V por aqui. 

Em relação ao atual 1.5 usado em Fit, City e WR-V, o novo 1.5 se destaca por ter duplo comando (DOHC) contra comando simples (OHC), válvulas de admissão e escape maiores (para melhor "respiração") e ainda uma taxa de compressão mais alta (11,5:1). Já o virabrequim 25% mais leve deixa o motor mais ágil nas respostas em relação ao L15A. 

Novo Honda City 2021

O diâmetro e o curso dos pistões do L15B são praticamente os mesmos (totalizando 1.498 cc), mas o novo motor tem jatos de óleo aprimorados para melhorar o resfriamento dos pistões. Além disso, esses pistões possuem manga de alumínio posicionadas sobre a manga normal do cilindro, para melhor transferência de calor. 

Como resultado, a potência chegou a 121 cv, com torque estimado de 15,8 kgfm. Hoje, a versão flex do 1.5 L15A feita no Brasil rende 116 cv e 15,3 kgfm com etanol. Mas, se a diferença parece pequena no papel, na prática deve ser mais sentida. Isso porque a nova arquitetura do motor e a eletrônica mais sofisticada promete uma entrega de força mais linear entre as rotações, com mais pegada em giros baixos e médios. 

Ademais, a adoção do duplo comando permite um melhor controle do levantamento e tempo de abertura das válvulas, o que torna mais fácil atingir as normas anti-emissões cada vez mais rígidas. Em alguns mercados, o L15B também dispõe do comando variável i-VTEC, que permite entregar maior torque em baixas rotações e potência em alta. 

No Brasil, a promessa de termos o 1.0 turbo de 3 cilindros da Honda não vem de hoje. E nada melhor que o lançamento do novo City para trazê-lo. No entanto, a atualização do 1.5 também seria muito bem-vinda, abrindo espaço para produzir aqui inclusive a versão turbo (que hoje é importada e impacta bastante no preço das versões Touring de Civic e HR-V). Resta saber qual será a estratégia da Honda para o City 2021 nacional, que pode incluir até mesmo a inédita versão hatch do modelo.

Fonte: Autocar India 

Galeria: Honda City 2021 (Teste Tailândia)