Associação já se preocupa com a manutenção dos empregos do setor nos próximos meses

Em comunicado enviado nesta segunda-feira (6) à imprensa, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) divulgou os resultados da indústria em março, já refletindo a crise da Covid-19 nas últimas duas semanas do mês. Depois de duas semanas de atividade positiva no mercado interno, que apontavam para um crescimento, a paralisação gradativa do comércio e das fábricas na segunda quinzena resultou em queda de quase 90% nas atividades do setor.

"Tivemos dois momentos bem distintos em março. Até o começo da segunda quinzena, as vendas estavam em alta, com crescimento de 9% no acumulado do ano, em relação ao ano passado. Mas o avanço da pandemia em nosso país foi provocando a interrupção das atividades nas fábricas e nas concessionárias, fazendo com que fechássemos o mês com queda de 8% no acumulado do ano", explicou Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea.

A queda acentuada das últimas semanas de março projeta, de acordo com o dirigente, um resultado altamente preocupante para abril. "O momento é de priorizar a saúde da população, e todas as nossas associadas estão dando sua contribuição no combate ao coronavírus, seja reparando respiradores, seja produzindo e doando máscaras, ou mesmo cedendo suas frotas para as mais diversas finalidades". No entanto, Moraes defende uma ação conjunta de governo e bancos para que sejam preservados os empregos do setor.  

Honda - Fábrica em Itirapina (SP)

Numa análise mais ampla da indústria em março, a queda em relação ao mesmo mês de 2019 foi de 21% para produção, licenciamentos e exportação. Na comparação com fevereiro, a retração foi de 18% nos emplacamentos e nas exportações, e de 7% na produção.

Para abril, a expectativa é de números ainda mais alarmantes, visto que algumas fabricantes que retomariam a produção na segunda quinzena já estão esticando este prazo para, pelo menos, até o fim do mês. É o caso, por exemplo, da Volkswagen, que inicialmente voltaria às atividades em suas quatro fábricas no dia 13 de abril e prorrogou o retorno para o início de maio. Já a Honda, que retomaria a produção no dia 14 de abril, acaba de anunciar que vai manter a paralisação até o dia 27.    

Galeria: Honda - Fábrica em Itirapina (SP)