Governo suíço proíbe qualquer reunião com mais de mil pessoas até meados de março

O Salão de Genebra começaria na semana que vem, mas o governo da Suíça acaba de anunciar uma proibição de qualquer evento ou reunião que junte mais de mil pessoas. A decisão foi tomada por conta do surto do COVID-19, também conhecido como Coronavírus. A organização do evento já confirma o cancelamento da 90ª edição, algo que não acontecia desde 1948.

O cancelamento do Salão de Genebra acompanha a decisão do governo, anunciada nesta manhã: “O Conselho Federal decidiu declarar que a situação que atualmente atinge a Suíça como ‘especial’ nos termos da lei para epidemias, e proibiu demonstrações com mais de 1.000 pessoas. A proibição começa a valer imediatamente e é válida até, pelo menos, 15 de março. Para o Conselho Federal, a prioridade absoluta vai para a população. Isso nos dá a competência de criar medidas que normalmente seriam da competência de outras áreas do governo.”

A decisão foi tomada após a descoberta do primeiro caso de Coronavírus confirmado na Suíça, número que subiu para 15 até o momento, além de mais 130 suspeitas. O país faz fronteira com região norte da Itália, justamente o local mais afetado pelo surto do vírus na Europa. As autoridades da Suíça acreditam que o número de casos confirmados deve subir nos próximos dias e investiu para que os hospitais sejam capazes de examinar 1.000 pessoas por dia.

É mais um golpe forte que o Coronavírus causa na indústria automotiva. Além de afetar a produção na Ásia, o vírus agora obriga o cancelamento de um dos principais eventos do mundo, considerado o mais democrático por acontecer em um país que não possui nenhuma fábrica de carros. Muitas fabricantes já tinham grandes estreias marcadas para a feira, como a Volkswagen com o novo Golf GTI e a Toyota com o inédito crossover compacto baseado no Yaris.

Em uma coletiva de imprensa, o diretor do Salão de Genebra, Olivier Rihs, disse que a situação "está além de nosso controle, não acho que uma reivindicação para que o evento aconteça tenha chance de sucesso. Não é uma decisão do Salão de Genebra. Nós temos que seguir a decisão do governo." O executivo ainda descartou qualquer possibilidade de que o evento aconteça em outro momento do ano: "o show não pode ser adiado. Não é possível. É grande demais. Em setembro, outubro? Não é viável."

 

"Lamentamos essa situação, mas a saúde de todos os participantes é a nossa principal prioridade e a de nossos expositores. Este é um caso de força maior e uma tremenda perda para os fabricantes que investiram maciçamente em sua presença em Genebra. No entanto, estamos convencidos. que eles entenderão essa decisão", afirma Maurice Turrettini, Chariman da diretoria do Geneva Motor Show, em nota oficial.

Com 90 anos de história, o Salão de Genebra só foi cancelado por conta das guerras na Europa. O evento aconteceu ininterruptamente desde 1948. A organização havia anunciado na quarta-feira que não iria cancelar o evento por conta própria e que estava tomando precauções para evitar problemas com a doença. Outras exibições também foram canceladas, como uma feira da marca de relógios Swatch, que foi adiada para setembro, e outro evento de relógios marcado para abril.