Ele não será uma versão brasileira do Grand Commander chinês nem do Wagoneer norte-americano

Celulares foram embalados na entrada. Nas paredes, diversos sketches dos atuais modelos da Jeep antes de ganharem sua forma final. Estávamos entrando na chamada "Área 51" do centro de desenvolvimento da FCA em Auburn Hills, nos arredores de Detroit. É lá onde fica o centro de design da Jeep, onde fomos recebidos pelo chefe do setor, Mark Allen, para falar um pouco sobre o estilo dos utilitários da marca e, claro, tentar algum "spoiler" do que vem por aí.

+ Nos acompanhe também no Instagram Motor1.com Brasil

Jeep SKT

Renegade precisava ter o espírito Jeep por ser o novo carro de entrada da marca; daí a inspiração no Wrangler

Para nós, brasileiros, o que mais chamou a atenção, claro, foram os desenhos do Renegade e do Compass. Allen inclusive explicou a diferenciação dos modelos, apesar de partirem da mesma base. Como novo carro de entrada da Jeep, o Renegade tinha de ter muitas características da marca, precisava ter muita personalidade. Daí a ideia de trazer a grade e os faróis circulares do Wrangler (ícone da marca), além da coluna A bem ereta e o formato mais quadradinho da carroceria. Já o Compass pegou carona no design dos modelos acima, como o Cherokee e o Grand Cherokee, apostando num desenho mais tradicional, com foco no público familiar.

Jeep SKT

Compass tinha de se diferenciar do Renegade com mais esportividade e refinamento 

Para os EUA, o lançamento da picape Gladiator é a bola de vez. Allen explicou que a aprovação deste modelo foi bem delicada, pois, apesar de ser um desejo do pessoal da Jeep, havia o temor da FCA de que ela competisse com as picapes da RAM. Mas felizmente, Sergio Marchionne, ainda vivo naquela época, deu o sinal verde. E o fato é que o consumidor da Gladiator é bem diferente dos modelos RAM, mais focado em off-road e lifestyle. Tanto que ela herdou do Wrangler diversos diferenciais que a fazem uma picape única, como a possibilidade de retirar as portas, o teto e baixar o para-brisa, por exemplo.

Em termos de futuro, Mark Allen diz que os carros em que estão trabalhando no momento são o Wagoneer (próximo modelo topo de linha da marca), a nova geração do Grand Cherokee (que Allen diz estar particularmente orgulhoso com o resultado) e, atenção brasileiros, o novo SUV de 7 lugares para ficar acima do Compass na fábrica de Goiana (PE).

Jeep Grand Commander for China

Design do Commander foi pensado no gosto chinês, mas não tem admiração nem da matriz

Sobre este modelo, especificamente, Allen já adiantou que ele terá identidade visual própria. 'Não tem nada a ver com o Grand Commander Chinês", disse, num tom de quem também não curtiu o design final (o conceito Yuntu era muito mais promissor), "e também não é tão grande quanto o nosso Wagoneer", que a Jeep prepara para ficar acima do Grand Cherokee nos EUA.

Ou seja, o próximo Jeep nacional terá design exclusivo. Pelo que apuramos, a ideia de fazer um Compass alongado foi logo rechaçada nos primeiros protótipos, pois o design havia ficado desequilibrado. Então, apesar de usar a mesma plataforma, não terá basicamente nada do Compass em termos de estilo.

Esperado para 2021, o SUV de 7 lugares terá versões flex, com o novo motor 1.3 turbo ligado ao câmbio de 6 marchas (com tração 4x2), e diesel com uma versão renovada do atual 2.0 Multijet, que deverá chegar a cerca de 200 cv. Câmbio de 9 marchas com a primeira reduzida e a tração 4x4 serão mantidos do conjunto de Compass e Renegade.  

Ouça nosso podcast

 

Por Daniel Messeder, de Auburn Hills (EUA)

Viagem a convite da FCA

Galeria: Jeep Yuntu Concept