Fábrica de Campana, que hoje produz o HR-V, passará a entregar apenas motocicletas

Após a circulação de uma série de rumores, a Honda finalmente confirma nesta terça-feira (13) que deixará de produzir automóveis na Argentina. De acordo com a marca, a fábrica sediada em Campana, localizada na província de Buenos Aires, cessará de forma definitiva a montagem do crossover HR-V e, a partir de maio de 2020, dedicará exclusividade à produção de motocicletas.

Fontes ligadas à fábrica disseram ao site Argentina Autoblog que 500 funcionários devem ser desligados. Em nota, a Honda não confirma as demissões e afirma que “possui 1.000 colaboradores e parte deles está ligada à produção de automóveis. A Honda Argentina está em tratativas com o sindicato local para oferecer um pacote de desligamento voluntário para os interessados. Não serão informados mais detalhes a respeito no momento.” Apesar disso, a marca esclarece que a comercialização de automóveis e os serviços pós-vendas serão mantidos normalmente no país.

Galeria: Honda HR-V 2020

A fábrica de Campana foi inaugurada em 2011 com a produção do sedã City e ampliada em 2015 com a fabricação do HR-V. Na época, havia expectativa de crescimento considerável do mercado argentino e previsão de vendas da ordem de 1 milhão unidades por ano. No entanto, o fracasso das políticas econômicas implementadas ao longo dos últimos anos resultou em altos índices de inflação, desvalorização da moeda local, redução do poder de compra e consequente encolhimento do mercado. Para efeito de comparação, das 1 milhão de unidades previstas outrora, a Argentina fechará 2019 com apenas 450 mil veículos vendidos.

Esta, vale lembrar, não é a primeira redução promovida pela Honda em suas operações no país vizinho. Em abril de 2016, a fábrica de motocicletas de Florencio Varela também foi fechada. Quanto ao HR-V, a partir de 2020 as concessionárias locais passarão a receber a versão produzida no Brasil.

Fonte: Honda/Autoblog Argentina