Considerada cara, versão vendeu apenas 700 unidades em pouco mais de 2 anos de oferta

A Honda anuncia nesta semana na Argentina a suspensão da comercialização da versão EXT do sedã Civic no mercado local. Importada do Brasil e posicionada no topo da gama, a variante era a única equipada com motor 1.5 turbo de 173 cv e sai de cena sem previsão de volta. Oficialmente, a marca diz que descontinuou a configuração para concentrar esforços na oferta da versão EXL, equipada com motor 2.0 e considerada a mais vendida da gama. Por sinal, esta variante passa a ser a única do sedã no país, tendo em vista que em meados do ano passado o acabamento EX 2.0, de entrada, também deixou de ser oferecido.

Galeria: Honda Civic 2019

Lançada na Argentina em dezembro de 2016, a atual geração do Civic vendeu até hoje algo em torno de 5.368 exemplares - números considerados tímidos quando comparados ao volume comercializado no Brasil (mais de 50 mil unidades só nos últimos dois anos). Desse total, estima-se que apenas 701 corresponderam à versão turbo, o que na prática justifica os argumentos usados pela Honda. Entre outras dificuldades, o Civic EXT (chamado de Touring no mercado brasileiro) enfrentava o alto preço. Era a única versão da gama afetada pelo chamados impostos internos, o que elevava seu valor para algo próximo do VW Jetta GLi (230 cv) e Ford Fusion (240 cv).

"No momento, não há unidades disponíveis [do EXT]. Das versões mais procuradas nos últimos meses, o EXL foi o mais vendido. Então ficou decidido que concentraremos esforços na oferta desta versão", explicou a marca.

Fonte: Autoblog Argentina