Marca pagará compensação e ainda fará programa de requalificação com cursos para os funcionários

Ainda sem definição sobre a possibilidade de vender a fábrica de São Bernardo do Campo (SP), a Ford fez um acordo coletivo com os funcionários do complexo para pagar uma compensação e dar apoio a eles por conta do encerramento das operações da linha de montagem até o fim do ano. A fabricante está negociando com a CAOA a venda da planta, mas até agora nenhum acordo foi fechado.

Galeria: Ford - Fábrica em São Bernardo do Campo (SP)

Wagner Santana, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, disse que foram mais de 40 dias conversando com a Ford, tanto no Brasil quanto com os EUA. O sindicato tentou impedir o fechamento, algo que foi negado pela matriz. Sem isso, as opções foram tentar a venda da fábrica com a condição de que os empregos serão mantidos pelo novo dono do complexo; ou fazer um bom acordo para reduzir o impacto sobre os trabalhadores dispensados.

O que foi decidido é que a Ford terá um Plano de Demissão Incentivada, com um pagamento que combina as condições empregatícias (mensalistas e horistas), tempo de trabalho e se o funcionário será ou não contratado pelo possível comprador da fábrica. Além disso, a montadora ainda dará apoio psicológico e fará um programa de requalificação profissional com cursos, que serão realizados em parceria com o Sindicato do ABC.

A Ford ainda diz que continua a negociar com potenciais compradores para vender a fábrica do ABC paulista. Caso consiga realizar a venda, a montadora tem planos de antecipar o encerramento da manufatura no local, que fabrica caminhões e o hatch Fiesta. Embora a empresa não diga, o interessado mais forte é a Caoa, que busca usar o complexo para entrar no segmento de caminhões. Rumores dizem que a chinesa Foton também estaria interessada.