Executivo defende redução de custos de produção para aumentar competitividade brasileira nas exportações

Luiz Carlos Moraes tomou posse nesta terça-feira (23) como novo presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) e também do Sindicato Nacional da Indústria de Tratores, Caminhões, Automóveis e Veículos Similares (Sinfavea). Fabricio Biondo também assumiu como 1º vice-presidente, ambos para a gestão 2019-2022.

Em seu primeiro discurso, o novo presidente falou sobre os desafios que a indústria automotiva enfrentará nos próximos anos. “É uma revolução nunca antes vista. O que está acontecendo lá fora é a maior e mais impactante transformação da indústria automotiva”, disse Moraes.

Ao mesmo tempo que analisa as mudanças, também coloca como desafio o entendimento da mudança dos nossos consumidores, que passam a ter também outros focos, “como o desejo dos clientes em querer muito mais conectividade, tanto para entretenimento como para segurança e que o ajude a se deslocar de maneira mais rápida e barata”, afirmou.

Outro ponto que já está no radar da nova diretoria da Anfavea são os dados pessoais gerados pelos usuários e/ou pelos veículos. Cada vez mais conectados, a entidade também trabalhará para auxiliar na regulamentação do uso destes dados e tratá-los dentro de uma lei de proteção de dados.

Pensando no futuro, o executivo também colocou em pauta os desafios dos veículos autônomos. Moraes citou que o setor automotivo não vai oferecer só o veículos, mas precisará avançar em sistemas cada vez mais complexos e caros de serem desenvolvidos. “A busca pela divisão de custos será inevitável”, afirmou.

Anfavea - Posse de Luis Carlos Moraes

“As montadoras sozinhas não conseguirão sozinhas avançar nessa nova era. São investimentos altíssimos que precisarão de parcerias, alianças ou fusões. Algumas já estão acontecendo”, disse o presidente.

A principal agenda da Anfavea será a competitividade e isso avançará por diversas áreas, com sugestões de mudanças complexas e outras mais simples. “A única alternativa é buscar competitividade para crescer. É crescer ou crescer”, afirmou Moraes. Defendida pelos principais executivos da indústria, ao diminuir os custos para se produzir veículos no Brasil, será possível reduzir a capacidade ociosa das fábricas e abrirá as portas para exportações.

Ponto fundamental para a Anfavea é a aprovação da reforma da previdência. Em seguida, o passo seguinte necessário será a reforma tributária com a simplificação dos tributos.

Perfil

Luiz Carlos Moraes é economista e atua como vice-presidente da Anfavea desde 2012. Ingressou no setor automotivo em 1978 e iniciou sua carreira na Mercedes-Benz do Brasil na área de contabilidade, passando por diversas setores da empresa, como relações governamentais e comunicação corporativa. É graduado pela Fundação Santo André e possui pós-graduação na FGV, MBA no IBMEC e pós-graduação no INSEAD/França.

Sobre o 1º vice-presidente:

Fabricio Biondo é graduado em engenharia de produção e pós-graduado em marketing. Possui ainda cursos de extensão na Fundação Getúlio Vargas e na Universidade da Califórnia. O executivo atua há mais de 22 anos no setor automotivo com passagens por grandes empresas e pelas áreas de vendas e marketing. Atualmente é vice-presidente de comunicação, relações externas e digital da América Latina do Grupo PSA.