Infelizmente, o Grupo Volkswagen não tem uma transmissão manual adequada para os esportivos da Lamborghini

Os executivos da Lamborghini andam falando bastante nos últimos tempos. Depois de comentar que já definiu qual será seu quarto superesportivo, agora Stefano Domenicali, chefão da marca, explica que a fabricante não irá mais oferecer câmbios manuais em seus carros pois é algo muito caro de ser fazer.

Galeria: Lamborghini Huracan EVO 2020

Em entrevista ao MotorTrend, Domenicali fala sobre várias coisas do mundo automotivo. Quando questionado sobre porque o Aventador e o Huracan não tem uma variante manual, o executivo revela que o custo de desenvolvimento seria muito alto.

Mesmo que a Lamborghini cobre um adicional de US$ 25 mil em uma edição limitada de um Aventador manual com 200 unidades, isso significaria que a fabricante iria levar US$ 5 milhões a mais. É um número impressionante só que, segundo Domenicali, não chegaria nem perto de cobrir o custo de desenvolver uma transmissão manual ou converter o câmbio automático de 7 marchas para um manual. E o Aventador é tão único mecanicamente que o Grupo Volkswagen não tem uma transmissão adequada.

O caso do Huracan é diferente. Ele é baseado no Audi R8, que teve uma versão manual, assim como o Gallardo, antecessor do Huracan. Porém, Domenicali diz que a transmissão de seis marchas que era usada nestes esportivos não é mais produzida e custaria uma fortuna reiniciar a linha de produção apenas para a Lamborghini. Ou seja, a Lamborghini quer oferecer versões manuais de seus carros, mas não compensa financeiramente.

Fonte: MotorTrend