Marca espera cortar US$ 13,6 bilhões e atenuar gastos com o desenvolvimento de elétricos

A exemplo de marcas como Audi e Ford, a BMW também está decidida a colocar em prática no curto prazo um ambicioso programa de corte de gastos. Ao contrário da norte-americana, que vem registrando prejuízo em várias regiões, a preocupação da marca alemã não é exatamente com resultados essencialmente negativos, mas sim com queda nas estimativas de lucro para 2019 - retração de aproximadamente 10%, segundo previsões. Em outras palavras, a continuará continuará no azul, mas planeja economizar cerca de US$ 13,6 bilhões até 2022 para compensar o impacto de conflitos comerciais e gastos sem precedentes com o desenvolvimento de modelos elétricos.

Galeria: BMW Série 7 2020

"Nossa indústria está testemunhando uma transformação rápida", disse o vice-presidente financeiro, Nicolas Peter. "Um nível alto e sólido de lucratividade é crucial se quisermos continuar impulsionando essa mudança", explicou. Parte disso virá da aceleração das simulações digitais como forma de reduzir em até um terço o tempo de desenvolvimento de novos modelos. "Entre outras economias, simulações digitais poderão eliminar a necessidade de cerca de 2.500 protótipos até o ano de 2024", disse a BMW. Além disso, a marca descartou a possiblidade de demissões e disse estar focada no aumento da eficiência.

BMW X7 2019
Nova BMW Série 3 2019

Uma preocupação, porém, diz respeito ao Brexit (saída do Reino Unido da União Europeia). "Dependendo de como as condições se desenvolverem, nossa orientação pode estar sujeita a riscos adicionais; em particular, o risco de um não-acordo relacionado ao Brexit e a evolução contínua da política comercial internacional", disse Peter. "O alto nível de volatilidade torna difícil fornecer uma previsão clara", completou. Outros receios são quanto às oscilações cambiais, os preços mais altos das matérias-primas e o fraco desempenho do mercado europeu, que caiu em fevereiro pelo sexto mês seguido.

Apesar disso, a marca aposta no SUV X7 e na nova geração do Série 3 para crescer no segundo semestre. Outras apostas são novo Série 1 e o inédito Série 2 Gran Coupé, que serão lançados posteriormente.

Fonte: Automotive News Europe