Irmã menor da Sprinter não alcançou números de vendas esperados

Lançada em 2015 como aposta de Mercedes-Benz para atuar na seara abaixo da Sprinter, a van Vito parece não ter agradado ao público latino-americano. Após apenas três anos de mercado, o modelo deixará de ser produzido na Argentina e dará adeus em definitivo às linhas de montagem fábrica de Virrey del Pino, onde mais de 800 milhões de pesos foram investidos. Oficialmente, a marca não confirma o motivo da medida, mas é fato que a decisão está diretamente relacionada às baixas vendas registradas - de 2015 a 2018, por exemplo, apenas 4.638 unidades foram entregues no mercado argentino.

Galeria: Mercedes-Benz Vito

Apesar do fraco resultado comercial (motivado em grande parte pela carga tributária excessiva), a Vito viveu momentos de fama e bastante notoriedade. Em outubro 2015, a Mercedes-Benz da Argentina doou uma unidade para o Vaticano e a recepção ficou a cargo do próprio Papa Francisco, que, não custa lembrar, é argentino. Posteriormente, em 2018, um exemplar blindado foi adquirido pela Casa Rosada para uso oficial por parte do presidente Mauricio Macri.

O lugar deixado pela Vito não será preenchido, mas a Mercedes confirma que ampliará a produção da Sprinter (com vendas em alta principalmente no Brasil) e não deixará a fábrica ociosa. Além disso, há unidades suficientes em estoque para manter as vendas até o final do ano. No futuro, a marca estuda a importação da van Classe V, derivada da própria Vito, porém, bem mais luxuosa.

Fonte: Autoblog Argentina