Margem de lucro cada vez menor faz fabricantes repensarem se vale a pena manter os modelos em linha

Subcompactos têm sido um segmento chave, principalmente na Europa, onde ele representa 8% das venda de 2017. Porém, não é mais tão simples assim, pois está cada vez mais difícil para as fabricantes manterem uma margem de lucro, pela demanda de mais tecnologias nos carros e o endurecimento dos limites de emissões de poluentes. E isso pode afetar o futuro de modelos como o Peugeot 108 e o Volkswagen Up!.

Em um artigo do Automotive News Europe, tanto o Grupo Volkswagen quanto o Grupo PSA expressaram suas incertezas com o segmento dos subcompactos. Herbert Diess, CEO da VW, reclamou dos limites de poluentes que começarão a valer em 2020, temendo que os subcompactos não contribuam de forma positiva. A lei determina que as regras ficaram mais rígidas em 2030 e isso faria com que o Volkswagen Up! ficasse cerca de 3.500 euros mais caro (R$ 14.796). Hoje, o compacto é vendido por 11.000 euros (R$ 46.502). "Não tenho certeza quantos de nossos clientes ainda poderiam comprar nossos modelos de entrada", afirma Diess.

Galeria: VW up! GTI

Já o Grupo PSA ainda tem outro problema, já que a produção é feita em parceria com a Toyota na República Tcheca. A Toyota irá assumir esta fábrica em 2021, quando a PSA iria sair do segmento, encerrando a produção do Peugeot 108 e Citroën C1 - ambos compartilham plataforma e componentes com o Toyota Aygo.

“A habilidade de qualquer fabricante de lucrar neste segmento está em risco por causa de toda a tecnologia que temos que adicionar", explicou Maxime Picat, diretor operacional da PSA na Europa, em uma conversa com jornalistas em janeiro.

Esta situação por si só pode acabar com os subcompactos. Como precisam colocar mais tecnologias para agradar os clientes e ainda mexer na mecânica para mantê-los econômicos, os preços sobem e isso começa a acabar com a razão de ser deste carros: ser a opção mais barata do mercado. Uma das soluções pode ser a eletrificação do segmento, plano que será usado pela Volkswagen para manter o Up! vivo na Europa

Fonte: Automotive News Europe