SUV tem gama formada por duas versões, sempre com motor 1.6 turbo de 177 cv

A Hyundai ampliou a oferta de SUVs no mercado argentino com a chegada do compacto Kona. Lançado globalmente em 2017, o modelo estreia no país com posicionamento intermediário, sendo mais caro e refinado que o Creta indiano e ao mesmo tempo mais barato que o Tucson sul-coreano. A oferta inclui as versões de acabamento Safety+ e Ultimate, ambas equipadas com o mesmo motor 1.6 turbo de 177 cv. Os preços sugeridos são de US$ 39.000 e US$ 43.900, cerca de R$ 147.150 e R$ 165.650 numa conversão simples. Para efeito de comparação, o Creta custa a partir de US$ 30.000 (R$ 113.000) e o Tucson entre US$ 39.000 e US$ 52.500 (R$ 147.150 e R$ 198.100).

Entre os principais itens de série, destaque para freios ABD com EBD, airbags frontais, laterais e de cortina, assistente de subida, controles de tração e estabilidade, alerta de colisão, piloto automático, ar-condicionado automático, computador de bordo, acendimento automático dos faróis, sistema de entretenimento com tela de 8 polegadas e compatibilidade com Apple CarPlay e Android Auto, além câmera de ré, luzes diurnas de LED e rodas de 18 polegadas. A versão Ultimate acrescenta ainda tela de 4,2 polegadas no quadro de instrumentos, bancos dianteiros com regulagem elétrica e aquecimento/ventilação, e teto solar.

2018 Hyundai Kona

Sob o capô, o motor 1.6 GDi turbo rende 177 cv de potência e 27 kgfm de torque, vindo sempre associado ao câmbio automático automatizado DCT de dupla embreagem e 7 marchas. A tração é integral, com acionamento automático.

Fotos: Divulgação

Galeria: Hyundai Kona 2018: Primeiras Impressões