SUV de sete lugares feito para a China será usado num novo modelo da Chrysler

Desde que a Fiat fez uma fusão com a Chrysler, a marca norte-americana ficou com apenas dois carros em seu portfólio: o sedã 300 e a minivan Pacifica. As notícias de que o 300 deixará de ser produzido em 2020 sem um substituto deixa as coisas em uma situação bem delicada. Para piorar, quando a Fiat-Chrysler apresentou seus planos até 2022, falou de Alfa Romeo, Ferrari, Fiat, Maserati, Jeep e Ram, mas deixou a Chrylser de fora. Seria este o fim da marca? Segundo o site Allpar, parece que não.

Citando fontes, o Allpar diz que a Chrysler irá renascer com dois novos crossovers. O primeiro deles, que é o mais interessante, será a volta do Journey, desta vez com o nome da Chrysler ao invés da Dodge. A ideia seria usar como base o Jeep Grand Commander, SUV de sete lugares feito para a China e com motor 2.0 turbo de 270 cv, o mesmo do novo Wrangler. 

O Grand Commander ainda seria produzido nos EUA, na mesma fábrica que monta o Cherokee. Este modelo de sete lugares é cotado também para o Brasil, já que a marca registrou o conceito Yuntu por aqui e prometeu a chegada de um Jeep com capacidade para sete passageiros na região.

Galeria: Jeep Grand Commander é revelado na China

Já o segundo modelo seria uma versão crossover do Dodge Charger, também com o nome da Chrysler. O Allpar diz que a empresa pode manter o nome 300 ou retomar nomes como Town & Country.

Além dos dois crossovers, a Chrysler trabalha em uma minivan elétrica chamada Portal, prevista para 2020, como disse o site Automotive News em setembro. A mesma fonte ainda diz que a Pacifica terá uma reestilização em 2020 e que a nova geração não chegaria antes de 2024.

Fonte: Allpar