A fabricante quer oferecer carros mais baratos e em outros segmentos

As fabricantes estão lidando com um mercado em mudança constante, com o gosto dos clientes passando para os SUVs e crossovers. Isso não é uma novidade, já que está acontecendo há alguns anos. Porém, as montadoras normalmente se vêem questionadas sobre os próximos produtos em desenvolvimento e se irão seguir o caminho da Ford, deixando sedãs e hatchs de lado para fazer ainda mais utilitários. A Mitsubishi, em particular, parecia seguir essa estratégia, revivendo nomes como Eclipse na forma de um crossover.

2017 Mitsubishi Mirage

“Eu sei que todos vocês escrevem sobre o crescimento dos SUVs e estão corretos, é cerca de 35% do mercado global hoje e continua crescendo", afirma Vincent Cobee, vice-presidente de estratégia de produtos da Mitsubishi, em uma entrevista ao site GoAuto.co.au. “Mas isso não elimina o fato de que haverão 40 ou 50 milhões de carros que serão mais tradicionais".

Parece que a fabricante japonesa quer uma fatia desses 50 milhões de carros. Trevor Mann, COO da Mitsubishi, disse que o sucessor do Mirage já começou a ser desenvolvido, embora esteja em estágio inicial. "A Aliança [Renault-Nissan Mitsubishi] tem essa plataforma chamada CMF-B, então é possível que o novo Mirage utilize essa base, mas ainda não decidimos", disse Mann. A plataforma CMF-B será utilizada também pelo novo Renault Clio, que estreia no ano que vem. Já o sedã Lancer deve retornar com a arquitetura CMF-C.

Oferecer carros mais baratos, como o Mirage, ajuda a conseguir clientes mais jovens para a marca, que podem acabar fieis e trocar seus veículos por modelos mais caros dentro da Mitsubishi.

“O que dissemos é que iremos investigar a possibilidade de carros menores, como uma oferta complementar que sirva de entrada para novos clientes, para cumprir as metas de emissão de poluentes, e para conquistar esses 50 milhões de clientes - então está na nossa lista de desejos", explica Cobee.

Fonte: GoAuto.co.au

Galeria: Mitsubishi Lancer 2018