Jipinho está vendendo tanto no Japão que limitou as unidades para exportação

A nova geração do Suzuki Jimny foi lançada após uma espera de 20 anos e chegará no Brasil no ano que vem, com apresentação confirmada para o Salão do Automóvel de São Paulo, em novembro. Só que sua chegada pode demorar um pouco mais do que o previsto. Dale Wyatt, chefe da Suzuki no Reino Unido, disse à revista Autocar que a demanda pelo novo Jimny no Japão é "surpreendente" e isso está reduzindo a capacidade da marca para exportar unidades a outros mercados, principalmente os que usam o volante do lado direito, como a Inglaterra.

A empresa tem 4.500 pessoas interessadas no novo Suzuki Jimny na Inglaterra, segundo Wyatt. Porém, a Suzuki só poderá enviar cerca de 1.100 unidades ao país neste ano. Alguns clientes terão que esperar para receber o carro somente em 2019, pois a fabricante só conseguirá entregar cerca de 2 mil unidades por ano naquele mercado, se não fizer alterações na produção do veículo.

No Japão, o novo Jimny é equipado com motor 0.6 turbo de três cilindros, que produz 64 cv e 9,8 kgfm de torque, ligado a uma transmissão automática de 4 marchas ou uma manual de 5 posições. Continua com tração 4x4 e reduzida acionadas por alavanca. Na Europa, ele usa uma motorização diferente: 1.5 aspirado de 102 cv e torque de 13,2 kgfm. Assim como no Japão, tem opção de câmbio manual de 5 marchas ou automático de 4 posições.

Além do problema para atender a demanda, o Suzuki Jimny tem outro defeito. No teste de colisão do Euro NCAP, o jipe compacto recebeu apenas três estrelas, pela falta de equipamentos de segurança de série. Isso, porém, não perece ser impeditivo para o sucesso comercial do modelo. 

Fonte: Autocar

Galeria: Suzuki Jimny: Primeiras impressões