Marca apresentará novo logotipo no ano que vem. Estreia será no hatchback elétrico I.D.

A chegada de Herbert Diess à presidência da Volkswagen já começa a surtir efeitos. Os executivos da marca disseram à agência Bloomberg que a fabricante é “alemã demais”, perdendo parte de seu apelo emocional para focar na racionalidade. O objetivo agora é mudar essa percepção que o público tem da fabricante e um dos passos será atualizar seu logotipo, que será apresentado em 2019, para em seguida aparecer na versão definitiva do I.D., o primeiro carro de uma linha totalmente elétrica.

Leia também:

“A marca não está em boa forma em comparação com os últimos anos”, explica Jochen Sengpiehl, chefe de marketing da Volkswagen. “Não é só por causa do escândalo do diesel.” Não é a primeira vez que um executivo bate nesta tecla. Em 2015, durante a apresentação do Volkswagen Gol reestilizado, Jorge Portugal, vice-presidente de vendas e marketing da VW Brasil afirmou que a marca ficou arrogante e se afastou de seu consumidor.

 A última vez que a Volkswagen mexeu em seu logotipo foi em 2012, quando adicionou mais elementos em 3D. O logo será apresentado em 2019 e o primeiro carro a mostrá-lo será o I.D., hatchback elétrico que estreará uma família de modelos EV, para em seguida passar para o resto da linha da fabricante. “O grande desafio é: Como nós levaremos as pessoas para o mundo elétrico. Nós queremos que as pessoas divirtam-se conosco. Precisamos ser mais excitantes”, diz Sengpiehl.

Além desta nova identidade, a Volkswagen prepara mudanças de marketing. Segundo Sengpiehl, a missão é deixar a VW mais acessível e mais maleável para as mudanças do mercado. Acessível não significa mudança nos preços, pois outro ponto levantado pelo executivo é que cobram mais caro por terem carros mais inovadores. Para acompanhar esta nova estratégia, a marca quer criar centros de marketing em cada região, trabalhando com agências de comunicação para moldar a publicidade de acordo com o público e reagir mais rapidamente à resposta dos consumidores.

Fonte: Bloomberg