O carro "fala" com você quando há algo errado. Você sabe entendê-lo?

Nem sempre um carro quebra "do nada". Em diversos momentos, ele emite sons que, se bem interpretados, podem te salvar de ficar parado na rua ou gastar mais do que o necessário na oficina. É como se o carro reclamasse de algo que não está funcionando de maneira correta e te avisasse que algo de ruim está para acontecer por meio de rangidos na suspensão, ronco nos rolamentos e até assobios nas correias.

Na maioria das vezes, esses barulhos podem indicar desgastes e problemas, e aprender a identificá-los é fundamental para evitar dores de cabeça. Listamos abaixo as principais fontes de barulhos incomuns, desenvolvida pela rede DPaschoal.

Leia também:

Golf Variant com pneus Continental PremiumContact 6

Assovio na frenagem

Indicação clara de que as pastilhas de freio não estão conseguindo trabalhar de maneira adequada. É um barulho comum em componentes desgastados ou de má qualidade, decorrente do chamado efeito vitrificação. “O ruído na maioria das vezes sinaliza um desgaste considerável do material de atrito. Muitos veículos são projetados com alarmes sonoros nas pastilhas e que devem gritar quando chegam em seu limite de uso. Siga o manual do seu veículo à risca, lá você encontra a frequência correta de manutenção das pastilhas”, alerta o engenheiro Eliel Bartels.

Rangidos e batidas secas na suspensão

O barulho, neste caso, pode ser atribuído a diversos componentes do sistema de suspensão – desde um simples batente protetor de amortecedor até uma complexa caixa de direção, passando por pivôs, barras, bandejas e buchas. “Estes barulhos requerem uma detalhada análise e um diagnóstico bem preciso. É importante que oficina tenha ferramentas específicas para o diagnóstico e também para a troca das peças”, explica Bartels.

Comparativo Fiat Argo HGT x Renault Sandero RS

Estalos na curva

É um dos barulhos mais comuns de se ouvir quando o motorista gira o volante para fazer curvas ou manobrar o veículo. Geralmente é percebido a partir das rodas e prenuncia o funcionamento já comprometido da homocinética. “As juntas possuem uma coifa protetora de borracha que, com o tempo, pode rasgar e permitir o acesso de sujeira nos rolamentos que, quando combinada com a graxa típica deste componente, gera um efeito esfoliante na peça, causando folga mecânica nos alojamentos das esferas e o barulho indesejado”, afirma.

Pneus que cantam à toa

Pneus demasiadamente barulhentos, inclusive em baixas velocidades, são indicativo claro de desalinhamento. Bartels explica que “veículo desalinhado é a principal causa deste barulho nos pneus. Por isso, fique atento caso, após algum impacto mais forte, esse barulho se intensificar. Além disso, vale a pena checar o alinhamento total do carro a cada 10 mil km rodados”.

Ronco do rolamento

Geralmente graves e abafados, os roncos no rolamento se assemelham ao ruído de ventiladores domésticos e quase sempre decorrem de desgastes no componente. “É um tipo de barulho que deve ser verificado rapidamente, logo quando surgir, pois pode ser coisa séria”, comenta o especialista. Em casos extremos, há risco de travamento das rodas e avarias na ponta de eixo, com consequente possibilidade de acidentes e altos custos de reparo.

 

Correia dentada

Correia grilando 

Esta aguda e estridente serenata, como muitos a classificam, é bastante perceptível no momento da partida ou em casos de aceleração do motor. Indica, na maioria das vezes, ressecamento da correia, mas pode se apresentar como afrouxamento ou tensão extra do componente. Dependendo do caso, o uso de um spray específico pode resolver o problema. No entanto, o engenheiro pondera: “Cada montadora estipula um momento de troca da correia e isto também varia de modelo para modelo. Então, nada de adotar que correia se troca com 60.000 ou alguma outra quilometragem exata”. Confira no manual do veículo.

Salão do Automóvel: Lifan X60 2017 ganha reestilização e câmbio CVT

 

Estalos no motor ou câmbio

Comumente notados quando o motorista dá a partida, engata a marcha e o carro entra em movimento, estes barulhos quase sempre vêm do motor. São atribuídos a problemas no coxim do próprio propulsor ou do câmbio, que pode estar danificado. Confeccionado em metal e borracha, o coxim é essencial para amortecer as vibrações do motor e câmbio, de modo a mantê-los sempre firmes em suas posições originais. Se ouvir estes estalos, procure a oficina mais próxima.

Fotos: Divulgação e Arquivo Motor1.com