Modelos serão destinados a mercados emergentes

Segundo SUV compacto mais vendido do Brasil, o Hyundai Creta também tem um ótimo momento na Ásia. A marca coreana já pensa em expandir sua linha de crossovers, desta vez para baixo. Segundo o site indiano Economic Times, a fabricante estuda uma variante de 7 lugares do Creta e mais dois utilitários, ambos com menos de 4 metros de comprimento e mais baratos.

Leia também:

Estes três novos modelos estariam nos planos da marca para mercados emergentes, a princípio da Ásia. O único que está confirmado internamente é o novo SUV, chamado internamente de QXi. Terá menos de 4 metros de comprimento e está sendo desenvolvido especialmente para ser mais barato que o Creta e brigar com Ford EcoSport e Dacia/Renault Duster. É um segmento vem que crescendo muito na Índia e terá oito lançamentos até o final de 2019.

Hyundai Carlino SUV

O QXi será montado com a plataforma GB, que estreou em 2014 no novo i20 e já chegou em outros carros do grupo Hyundai, como o SUV Kona e os Kia Rio e Stonic. Foi antecipado em 2016 por um conceito chamado Carlino, com um design bem diferentes dos carros da fabricante, mais quadrado e agressivo. Deve manter poucos elementos, como as lanternas traseiras quadradas. Na Índia, já se fala de usar o motor 1.2 do i20, com a possibilidade de receber também o novo 1.0 turbo – com injeção direta, diferente do usado no HB20 Turbo nacional.

Os outros dois modelos citados pelo Economic Times ainda não chegaram à etapa de desenvolvimento. Um deles seria o Creta com mais uma fileira de passageiros. Para isso, deve apostar em uma plataforma mais longa, possivelmente a mesma utilizada pela van Carens, que é uma mistura da base do Elantra com a do Sonata.

Leia também:

Por fim, a Hyundai também estuda mais um SUV, o menor de toda sua linha. Pelo tamanho, é de se esperar que seja mais um aventureiro do que utilitário, da mesma forma que o Renault Kwid. Uma aposta segura é que seja uma variante do novo carro de entrada que a fabricante está desenvolvendo para a Índia.

Fonte: Economic Times