A partir de janeiro, marca assumirá funções corporativas e de importação no país

Depois de mais de 60 anos de atuação no Peru, a Nissan anuncia nesta semana a criação de uma subsidiária própria no país. Até então representada pela empresa Maquinarias, a marca confirma que passará a operar sozinha a partir de janeiro, sob a bandeira da chamada Nissan Peru (nome escolhido para o novo braço comercial). Dessa forma, os japoneses passam a liderar sozinhos as funções corporativas e de importação no país, a exemplo do que já acontece no Brasil, na Argentina e no Chile. O objetivo é concentrar esforços para aproveitar ao máximo o potencial do mercado local, apontado como um dos mais promissores da América Latina.

Leia também:

2017 Nissan Juke

"Com mais de 45 marcas automotivas, o Peru representa um mercado muito importante e com alto potencial para a Nissan. Trata-se de um dos países com maior crescimento em vendas, superando a média da América Latina. Estima-se um crescimento de 24% na indústria automotiva nos próximos cinco anos. Através da criação desta nova subsidiária focada 100% no Peru, reafirmamos nosso compromisso com o cliente peruano. Reforçamos também nosso empenho em entregar cada dia mais valor aos nossos clientes", disse José Luis Valls, chairman da marca na América Latina.

Nissan X-Trail 2018

Representante local por mais de 6 décadas, a Maquinarias seguirá atuando em conjunto com a Nissan, mas agora como parte integrante da rede de concessionárias. As próprias lojas, inclusive, é que serão responsáveis pelas operações de serviço aos clientes, como vendas, serviço técnico de pós-venda, call center e garantias. O line-up local é bem mais diversificado que o oferecido no Brasil, composto pelos SUVs Juke, Qashqai, X-Trail, Pathfinder e Patrol, além da van Urvan. Os compactos March e Versa completam o pacote, junto com Kicks, Sentra e Frontier.

Nissan Pathfinder 2017

Com 31,5 milhões de habitantes, o Peru é a economia que cresce mais rápido na América Latina. Chegou a acumular médias anuais de 5,9% entre 2005 e 2015, e deve avançar pelo menos 3,4% em 2018. Além disso, tem uma taxa de motorização de apenas 81 carros para cada 1.000 habitantes, o que configura amplas oportunidades de crescimento. O segmento de SUVs, seguindo a tendência mundial, é o que mais cresce no país.

Fotos: Divulgação

Galeria: Nissan Qashqai 2017 - Genebra