Parece que as coisas podem sair erradas até mesmo nos carros mais caros

Não são só carros baratos como Renault Kwid e Fiat Argo que passam por recalls que convocam todas as unidades vendidas. Os donos do Bugatti Chiron estão sendo chamados após a marca descobrir que quase 50 do esportivo ultra-caro podem ter sido equipados com bancos com defeito de fabricação.

A campanha afeta 47 unidades do Chiron de R$ 10,9 milhões, modelos 2017 e 2018. Enquanto a marca não diz quantos carros já foram produzidos, o cronograma dizia que terá somente 500 unidades, com 70 feitas por ano - as entregas começaram em março deste ano - então podemos assumir que a convocação é para cada unidade entregue até hoje.

Leia também:

Segundo o documento enviado para o National Highway Traffic and Safety Administration (NHTSA), entidade do governo norte-americano que cuida da segurança viária, a alavanca que contra a inclinação do banco não foi soldada corretamente. Em caso de acidente, isso pode fazer com que o banco se mova, deixando o motorista em uma posição que pode machucá-lo. Ainda não reportaram nenhum acidente.

A Bugatti, é claro, irá verificar e substituir todos os componentes de graça. Afinal, se você gasta milhões em um carro desses, você espera que ele venha pronto e funcionando corretamente.

O Chiron usa um motor 8.0 W16 com quatro turbos, o mesmo que equipava o Veyron. Sua potência é de 1.500 cv, transmitida pela transmissão de dupla embreagem com 7 marchas e tração nas quatro rodas. Acelera de 0 a 100 km/h em 2 segundos e sua velocidade máxima é limitada a "somente" 420 km/h (por falta de pneu que consiga aguentar uma velocidade ainda maior), mas a marca diz que poderia chegar aos 468 km/h.

Leia também:

Galeria: Volta rápida - Bugatti Chiron 2017