Fruto do projeto 178, compacto estreou em 1996 como grande aposta para mercados emergentes

A história do Fiat Palio estreia, nesta quinta-feira, a mais nova seção do Motor1. Trata-se do nosso #TBT, uma hashtag usada nas redes sociais para marcar fotos que se referem ao passado. Tbt significa significa throwback thursday, que em inglês quer dizer quinta-feira do retorno ou regresso. Então, já sabe, a partir de agora quinta-feira é dia de relembrar momentos do setor automotivo aqui no site. Participe mandando suas sugestões nos comentários!

Responsável por liderar as vendas da Fiat no Brasil durante diversos anos, o Palio passou dessa para uma melhor definitivamente nesta semana. Lançado por aqui em abril de 1996, o modelo compôs o portfólio da marca por praticamente 22 anos e acaba de deixar as linhas de montagem da fábrica de Betim (MG) em decorrência, especialmente, da boa receptividade obtida pelo Argo de entrada. Nestas duas décadas, constituiu família graças aos derivados Weekend (perua), Siena (sedã) e Strada (picape), ao mesmo tempo em que rivalizou diretamente com modelos como Volkswagen Gol, Chevrolet Corsa, Ford Fiesta, Peugeot 206 e Renault Clio, entre outros compactos nacionais.

Leia também:

Fiat Palio

Batizado em homenagem a uma corrida de cavalos tradicional da Itália, o Palio surgiu pelas mãos do Centro de Estilo I.D.E.A, na Itália, com design fortemente inspirado no Punto da época. Chegou ao Brasil em abril de 1996, como fruto do chamado projeto 178. A estreia por aqui aconteceu na cidade histórica de Ouro Preto (MG), onde 20 anos antes a Fiat havia apresentado o precursor 147. Logo de cara, chamou atenção pelo visual arredondado e alinhado com as mais recentes tendências da Europa, bem como pelo acabamento esmerado presente principalmente nas versões mais caras, como a 16V equipada com motor 1.6 de 106 cv.

Fiat Palio

Projeto emergente de alcance global, o Palio chegou não apenas à América do Sul, como também ao Leste Europeu, África do Sul, Índia, China e até Coreia do Norte. Ao longo destes anos, teve versões básica ED 1.0, esportiva 1.8 R, aventureira Way e até a urbana Citymatic, que tinha câmbio manual, mas sem pedal de embreagem. Confira na galeria no alto os detalhes sobre as principais reestilizações e gerações do modelo.

Fotos: Divulgação