Primeiro país estrangeiro a receber o modelo será o Paraguai, já em outubro

Montadora instalada no Brasil que mais envia carros para o exterior há anos seguidos, a Volkswagen manterá no recém-lançado Polo a estratégia de expansão regional que já aplica em outros modelos, como Gol, Voyage, Saveiro e Up!. A ideia é colocar o compacto à venda em todas as principais regiões da América Latina, cobrindo algo em torno de 29 mercados (países e territórios) - sendo 7 até o primeiro trimestre do ano que vem. O primeiro a receber a novidade será o vizinho Paraguai, já no próximo mês de outubro - em lançamento praticamente sincronizado com o Brasil.

Leia também:

Na sequência, a meta será expandir a presença do modelo para três países de uma só vez: Argentina, Chile e Equador - todos por volta do mês de janeiro. Em fevereiro, chega a vez de mais dois vizinhos - Colômbia e Peru -, seguidos, por fim, pelo Uruguai em março. No decorrer de 2018, outros países serão abastecidos, como Bolívia, Guatemala e Venezuela, além de territórios como San Martin, San Bartolomeo e Ilhas Cayman. A responsabilidade de abastecer todos eles ficará a cargo da planta de São Bernardo do Campo (SP), que recebeu algo em torno de R$ 2,6 bilhões em investimentos e passará a produzir em breve também o sedã Virtus.

 

VW Polo 200 TSI Highline 2018

 

As opções de motorização e equipamentos serão específicas para cada país, mas não devem fugir do padrão adotado no Brasil. Por aqui, a oferta é composta por propulsores 1.0 MPI de 84 cv, 1.6 MSI de 117 cv e 1.0 TSI de 128 cv. O câmbio pode ser manual de 5 marchas ou automático de 6, dependendo da versão.

Fotos: Arquivo Motor1

Galeria: Novo Volkswagen Polo 200 TSI Highline 2018