Com peças importadas da Argentina e Alemanha, a picape média estreia em mais um mercado

CKD (completely knocked down) é o regime de produção em que todas as peças para a montagem de um carro são importadas de outras fábricas (e países). É desta forma que a VW Amarok chega ao Equador, usando material fornecido pelas duas localidades que produzem a picape média: General Pacheco, Argentina e Hanover, Alemanha. 

Leia também:

Galeria: VW Amarok assembly in Ecuador

 

Inicialmente, serão cerca de 2.000 unidades por ano. Mas se a aceitação do público no Equador for boa, a fábrica pode chegar a 10.000 unidades/ano, ainda mantendo o sistema CKD. Este novo mercado da Amarok é anunciado após mudanças na linha no exterior, com novas versões mais luxuosas para competir com a novíssima Mercedes-Benz Classe X, outra picape de um fabricante alemão. 

No Equador, a Amarok será vendida apenas na versão de entrada, Trendline, com tração traseira ou integral 4Motion, sempre com o motor 2.0 TDI de 4 cilindros e câmbio manual. 

Fotos: divulgação