Modelo mais off-road da marca britânica adotará construção monobloco

Com estreia programada para 2018 ou, no mais tardar, 2019, a próxima encarnação do finado Land Rover Defender será um modelo de alcance verdadeiramente global. Conforme relata a agência de notícias Automotive News, o modelo está sendo desenvolvido para chegar aos mais variados mercados, desde a Europa até os Estados Unidos, e também Brasil. A chegada à América do Norte será providencial e, ao mesmo tempo, desafiadora, já que o SUV foi vendido por lá apenas entre 1993 e 1997, tendo poucas unidades emplacadas.

Leia também:

Ainda segundo a AN, a nova geração abandonará de vez a estrutura do tipo carroceria sobre chassi em favor de um conjunto monobloco. Na prática, será adotada a mesma plataforma D7U dos modelos Range Rover, com ganhos consequentes em economia de escala e redução de peso. A capacidade off-road vem sendo trabalhada para não ser afetada pela troca do conjunto, e a promessa da marca é manter o Defender como referência mundial em performance no fora-de-estrada.

 

Salão de Frankfurt: Land Rover revela mais detalhes do DC100 e DC100 Sport

 

O portfólio seguirá composto por uma variedade considerável de modelos, incluindo as opções de 2 ou 4 portas e picape. Os motores diesel e gasolina da família Ingenium, usados também pela Jaguar, certamente estarão sob o capô. Versões híbridas e elétricas podem surgir algum tempo depois da estreia. O investimento no desenvolvimento do projeto é alto. Previsões iniciais indicam que será preciso emplacar anualmente pelo menos 50 mil unidades para tornar o lançamento lucrativo.

Toda a produção será concentrada na nova fábrica do grupo em Nitra, na Eslováquia. O velho Defender deixou de ser produzido na Inglaterra em janeiro de 2016, após mais de 67 anos em linha. Até mesmo no Brasil ele chegou a ser montado no fim dos anos 1990, na antiga fábrica da Karmann-Ghia, em São Bernardo do Campo (SP).

Fonte: Automotive News

Galeria: Land Rover Defender 2019 - Projeção