Ampliação do portfólio e crescimento das receitas são parte de novo plano estratégico

Assim como aconteceu com marcas esportivas como Porsche, Bentley, Alfa Romeo e Lamborghini, a Ferrari parece estar fortemente inclinada a quebrar a tradição e se aventurar por segmentos até então impensáveis para um consumidor considerado purista. Todas estas, como já sabemos, ousaram ao ampliar seus portfólios com a oferta de SUVs de perfil tanto esportivo quanto luxuoso. A fabricante de Maranello, ainda que secretamente, demostra interesse em seguir por este mesmo caminho, mas evita de todas as formas usar o famigerado termo "SUV".

Leia também:

Ouvidas pela agência de notícias Bloomberg, fontes internas já começam a falar sobre o projeto, mas o tratam apenas como "veículo utilitário espaçoso". Talvez a marca tema sujar sua imagem com a banalização vivida pela sigla nos últimos anos, mas o fato é que a proposta - até então inimaginável - está sendo fortemente debatida pela diretoria. Até mesmo codinome e posicionamento definidos o modelo já tem: atende internamente por "F16X" e é apontado como um veículo capaz de oferecer mais espaço e conforto que a atual GTC4Lusso.

 

2017 Ferrari GTC4Lusso T

 

O projeto nasceu com a premissa de ampliar as receitas e a presença da Ferrari em todo o mundo, sendo peça fundamental para alcançar o objetivo de dobrar os lucros até 2022. Além disso, o novo plano estratégico prevê aumentos na produção anual da marca para além do limite de 10 mil unidades que vigora hoje, e o lançamento de modelos híbridos, por volta de 2019. A ideia é atrair "novos compradores ricos", relata a publicação.

Fonte: Bloomberg

2017 Ferrari GTC4Lusso T first drive