O motor 2.0 turbo terá a ajuda de um compressor elétrico para melhorar seus números.

Enquanto a sétima geração do Golf ainda roda pelo mundo e até passa por reestilização, com novos faróis, para-choques e painel de instrumentos em tela de TFT, a oitava já está em desenvolvimento e dá algumas dicas do que podemos esperar para 2020, inclusive um GTI com uma ajudinha "elétrica"

Ele manterá o 2.0 com injeção direta de combustível, mas o turbo tradicional, que funciona com os gases do escapamento, será substituído por um elétrico, o que melhorará principalmente as respostas em baixas rotações e a linearidade da entrega de força pelas rotações. Ligado ao câmbio, um motor elétrico dará mais potência no modo Performance. Tudo isso só será possível com o novo sistema elétrico, adotado pela Volkswagen e Audi, com 48V. Somados, os dois motores devem entregar cerca de 260 cv. 

Leia também:

O Golf MK7 já tem a sua versão híbrida, GTE (uma das promessas da Volkswagen para o Brasil), que casa o motor 1.4 TSI de 150 cv a um elétrico com o equivalente a 102 cv. Juntos, resultam em 202 cv e aceleração de 0 a 100 km/h em apenas 7,6 segundos, segundo a VW, a autonomia é de 50 km em modo totalmente elétrico.

Fotos: Divulgação

Os 40 anos do Volkswagen Golf GTI