Nissan vai abrir 2º turno e contratar 600 funcionários para fazer o Kicks no Brasil

Atualmente responsável pela produção dos compactos March e Versa, a nova fábrica da Nissan em Resende (RJ) passará por mudanças importantes para passar a montar também o Kicks. Inicialmente importado do México, o crossover ganhará cidadania brasileira no primeiro trimestre de 2017 e demandará cerca de R$ 750 milhões em investimentos. O montante custeará a instalação de novos ferramentais e a abertura de um novo turno, de modo que pelo menos 600 novos funcionários serão contratados para dar conta do trabalho extra. LEIA TAMBÉM: Teste Rápido: Nissan Kicks traz o apelo emocional que falta à marca Nissan Kicks só terá versões mais baratas quando for produzido no Brasil
Nissan vai abrir 2º turno e contratar 600 funcionários para fazer o Kicks no Brasil
Neste primeiro momento o SUV será vendido apenas na versão topo de linha SL ao preço de R$ 89.990, mas a produção nacional possibilitará a estreia de novas configurações. A expectativa é que a partir de março do ano que vem sejam lançados os acabamentos SV e talvez S, além da opção de câmbio manual – trazendo o valor de entrada para algo em torno dos R$ 75 mil. A meta é vender mensalmente 3 mil unidades, mesmo trazendo todo o volume do México. Com a nacionalização, a previsão da Nissan é subir ainda mais os números.
Nissan vai abrir 2º turno e contratar 600 funcionários para fazer o Kicks no Brasil
Confirmadas as expectativas da marca, o Kicks terá condições suficientes de alcançar o pódio na categoria, ficando acima do Renault Duster. Atualmente o Honda HR-V lidera o segmento, seguido pelo Jeep Renegade. Fotos: Divulgação

Nissan vai abrir 2º turno e contratar 600 funcionários para fazer o Kicks no Brasil

Foto de: Dyogo Fagundes