Carros para sempre: projeto 100% brasileiro, VW Voyage completa 35 anos

Carro de muitas famílias na década de 1980 e um dos modelos mais importantes na história da Volkswagen do Brasil, o Voyage começou a chegar às concessionárias em julho de 1981. Derivado do Gol, o sedã estreou com carroceria duas portas e versões de acabamento S e LS. Era equipado com motor 1.5 refrigerado a água movido a álcool (65 cv) ou gasolina, associado ao câmbio manual de quatro marchas. Modelo 100% projetado e desenvolvido no Brasil a partir do Gol, o Voyage teve ao longo da sua trajetória mais de 1 milhão de unidades vendidas, sendo 410 mil exportadas para 61 países. Em 2016, o modelo foi o quinto mais vendido da marca no país, com 14.102 unidades emplacadas. Leia também: Carros para sempre: VW Voyage desde o começo da viagem O sedã do Gol foi produzido na fábrica de São Bernardo do Campo (SP) em dois períodos: entre 1981 e 1987, e entre 1990 e 1996. Nos anos de 1988 e 1989 o carro foi feito na fábrica de Taubaté, no interior de São Paulo. Desde 2008, o modelo é produzido exclusivamente na unidade de Taubaté, na mesma linha do Gol. Curiosidades Com auge comercial no fim da década de 1980, o Voyage foi exportado para a Argentina como Gacel (gazela em espanhol) e Gol Sedan no restante da América Latina, inclusive México. Já nos Estados Unidos e no Canadá, o sedã foi vendido entre 1987 a 1993 com o nome Fox e cerca de 2 mil modificações, incluindo injeção eletrônica (ainda não disponível nos carros nacionais) e câmbio de quatro marchas com "overdrive". Hoje, o Voyage é exportado para oito países: Argentina, México, Bolívia, Chile, Colômbia, Peru, Paraguai e Uruguai, mas no passado esteve em diversos lugares do mundo, como Egito, Haiti, Libéria, Bahamas, Angola e Jordânia. História No início da trajetória, o Voyage fez sucesso com as séries especiais Plus, de 1983, e Los Angeles, de 1984, que tinha bancos Recaro e pintura externa na cor azul metálica. Neste mesmo ano o modelo ganhava motor 1.6 (81 cv com etanol) e câmbio de cinco marchas (opcional). Em 1985, a linha era atualizada com os motores AP 1.6 e 1.8. No ano seguinte chegava a famosa série especial "GLS Super" com motor 1.8 (86 cv) - um sonho de consumo naquela época. Câmbio de cinco marchas só passou a ser item de série na linha 1987, quando o Voyage passou pela primeira reestilização. O visual mudava bastante, graças à frente mais baixa, com novos faróis e para-choques envolventes. As versões passavam a ser CL, GL e GLS. No ano seguinte, mais novidades: mudam as portas, retrovisores e acabamento interno, além de estrear um novo painel de instrumentos, que era mais refinado nas versões GL e GLS, com os famosos botões “satélites”. Num período mais curto desta vez, o Voyage acompanhava a linha BX com uma nova reestilização em 1991, na qual a frente abrigava faróis e grade mais estreitos. Novos para-choques e acabamento interno também faziam parte da mudança, além da chegada do motor AE 1.6 (CHT) no lugar do 1.6 AP - efeito da má sucedida joint-venture com a Ford, que deu origem à Autolatina. Em 1994, o Voyage passava a ser produzido nas versões GL 1.8 e Special, apenas na Argentina, até o final de 1995. A produção era então encerrada para dar lugar ao VW Polo Classic. Novo Voyage Desenvolvido com a quinta geração do Gol, o Voyage retornaria ao mercado em 2008 com nova plataforma, motor transversal e maior espaço interno. A gama de motores era composta pelos TotalFlex 1.0 e 1.6, e a partir do ano seguinte ele também passou a contar com a opção da transmissão automatizada I-Motion. Recebendo novidades em termos de equipamentos ano após ano, o Voyage passou a contar no início de 2016 com o sistema de entretenimento Volkswagen App-Connect, também disponível para outros modelos da gama, como Fox e Gol. Mais recentemente, acompanhou as mudanças visuais do Gol e passou a ser equipado com o novo motor 1.0 3-cilindros da família EA-211 nas versões de entrada. Fotos: VW (divulgação)