Nova trail compacta é lançamento mais importante da marca nos últimos tempos

Com o slogan “bem-vindo ao mundo XRE”, a Honda lança sua nova trail compacta no mercado brasileiro. Segundo o gerente comercial Alexandre Cury, trata-se do lançamento mais importante da marca nos últimos tempos, em termos de volume, num segmento extremamente competitivo. Posicionada entre a Bros 160 e a XRE 300, a 190 parece uma xerox reduzida da irmã maior, diferenciando-se em detalhes como conjunto ótico, painel e lanterna traseira. Com vocação urbana, tem como pontos fortes o posicionamento do piloto, as suspensões de longo curso e os freios a disco com ABS na dianteira de série - tudo isso aliado ao desempenho superior ao das trails de entrada.

O que é?

A Honda define a XRE 190 como uma trail urbana projetada para uso 80% on e 20% off-road. Principal atração é o inédito motor monocilíndrico arrefecido a ar com exatas 184,9 cc de volume e injeção eletrônica bicombustível. Pertencente à mais nova geração de motores de baixa cilindrada da marca, destaca-se pela baixa vibração devido ao eixo balanceiro posicionado atrás do eixo de manivelas, que equilibra o conjunto eixo, biela e pistão. Traz comando de válvulas simples (OHC) roletado, para redução de atrito, e construção que facilita a manutenção - é possível retirar o comando através de uma tampa lateral sem retirar o cabeçote. Em termos de rendimento, desenvolve 16,4 cv de potência a 8.500 rpm e torque de 1,66 kgfm a 6.000 rpm (ambos com etanol). O câmbio é de cinco marchas, sendo a primeira mantida da Bros 160 e as restantes reescalonadas. Com tanque para 13,5 litros de combustível, promete autonomia acima de 350 km quando abastecida com gasolina.

 

Volta rápida: nova Honda XRE 190 aposta no equilíbrio

 

O chassi é do tipo semi-berço duplo, fabricado em tubos de aço com o sub-chassi soldado ao principal. É extremamente resistente a tensões, enquanto a balança é feita de tubo de aço com seção retangular, pintada na cor alumínio. A suspensão dianteira vem com garfos telescópicos convencionais (curso de 180 mm) e a traseira é monoamortecida, sem links, com o amortecedor fixado direto na balança (curso de 150 mm). Interessante notar o para-lama inferior dianteiro, cujo formato protege a área de trabalho do tubo interno com o externo, prolongando a vida útil dos retentores.

 

Volta rápida: nova Honda XRE 190 aposta no equilíbrio

 

Os freios são a disco com 240 mm de diâmetro na dianteira e pinça flutuante de dois pistões, e 220 mm na traseira com pinça flutuante de um pistão. O sistema vem de série com ABS de um canal que, segundo a Honda, inaugura uma geração de ABS mais acessível para motos de entrada, com sensores atuando no câmbio e na roda dianteira, monitorando a frenagem. Já as rodas são de aço raiadas na cor cinza grafite, com diâmetro de 19” na dianteira e 17” na traseira. Vestem pneus Pirelli MT 60 de uso misto nas medidas 90/90 na frente e 110/90 atrás.

 

Volta rápida: nova Honda XRE 190 aposta no equilíbrio

 

O painel é inteiramente digital, com tela de LCD, e traz velocímetro, conta-giros, relógio, marcador de combustível e hodômetro total e parciais A e B, além de consumo instantâneo e médio de combustível. As luzes indicadoras estão dispostas nas extremidades no painel, com as lâmpadas de seta individualizadas que favorecem a segurança. Infelizmente, o visor continua sem o indicador de marchas. Os comandos seguem o novo padrão Honda, com a buzina acima da seta, e faz falta o lampejador de farol alto. No corpo da motocicleta, destaque para o bagageiro que vem com as furações para futura instalação de baú cobertas por um protetor de borracha, e também para o retorno do útil porta capacete na lateral esquerda.

Como anda?

Para conhecermos a “XRrinha” estivemos no Haras Tuiuti, no interior paulista. Era para utilizarmos as pistas on e off-road, porém como a segunda não estava em condições ideais para o tipo de moto (mais para uma verdadeira off), fizemos apenas um pequeno percurso na terra. Valeu para conferir o equilíbrio do projeto, que combina bom torque, freios eficientes, suspensão confortável e leveza (são somente 127 kg de peso seco).

 

Volta rápida: nova Honda XRE 190 aposta no equilíbrio

 

Inicialmente acho o banco mais alto do que esperava (836 mm), mas nada que atrapalhe considerando o baixo peso da moto. A posição de pilotagem é bastante cômoda, deixando o condutor com a coluna ereta, as pernas encaixadas no tanque e os braços apoiados no guidão alto e largo. Giro a chave, dou a partida no motor (giro fica entre 1.000 e 1.200 rpm), engato a primeira no câmbio “manteiga” e entramos na pista. Procuro manter o motor na rotação de torque máximo (6.000 rpm) e percebo que nas trocas o giro cai apenas para 5.000 rpm, ou seja, num instante ela já está no seu ponto ideal de trabalho, com a força bem presente.

 

Volta rápida: nova Honda XRE 190 aposta no equilíbrio

 

Contorno as curvas e quando chega a reta estico as marchas até 8.500 rpm (giro de potência máxima), mas a XRE chega sem muita vontade - é mais giro que velocidade, em torno de 90 km/h (a reta era curta), mostrando que sua pegada é mais torque em baixa do que performance em alta. Dentro do desempenho oferecido, no entanto, o comportamento nas frenagens e a estabilidade em curvas da nova Honda é excelente. Nas voltas seguintes procuro entrar nas curvas em marchas mais longas e moto mostra o mesmo comportamento dinâmico, transmitindo confiança. Outro ponto positivo aparenta ser o consumo de combustível, que ficou em 32,6 km/l de gasolina pelo computador de bordo durante o test-ride - faremos medições específicas em breve durante nossa avaliação completa.

 

Volta rápida: nova Honda XRE 190 aposta no equilíbrio

 

Após o rápido contato, ficou a sensação de uma pequena moto grande em seu estilo e bem adequada à proposta. Sou "suspeito" para falar pois sempre tive e ainda tenho moto trail com uso 95% no asfalto, por apreciar suas características e versatilidade. Acredito que a nova XRE deverá tirar vendas da Bros 160, mas não deverá incomodar as rivais 250 cc por conta do desempenho final.

Quanto custa?

Disponível em única versão com ABS e nas cores preta, vermelha e verde perolizadas, a XRE 190 tem preço sugerido de R$ 13.300, com garantia de três anos e mais sete trocas de óleo gratuitas nas revisões. A previsão de vendas é de 32.000 unidades por ano e as entregas começarão no início de junho.

 

Volta rápida: nova Honda XRE 190 aposta no equilíbrio

 

Sem rivais diretas (a mais próxima em cilindrada seria a KTM 200 Duke, de proposta mais esportiva e preço mais alto), a nova XRE se encaixa bem no meio entre a caçula Bros 160, que custa R$ 11.257 na versão com freios a disco nas duas rodas, e a XRE 300, tabelada a R$ 15.560. Com isso, a Honda entra num segmento atualmente não atendido no mercado nacional e aposta justamente no equilíbrio do novo produto (em termos de motor, comportamento e custo-benefício) para ampliar sua liderança no setor das trails compactas.

Por Eduardo Silveira, de Tuiuti (SP) Fotos Divulgação

Ficha técnica - Honda XRE 190 ABS

Motor: OHC, monocilíndrico, 4 tempos, arrefecido a ar, 184,4 cc, injeção eletrônica, bicombustível; Potência: 16,3 cv/16,4 a 8.500 rpm; Torque:1,65/1,66 kgfm a 5.500 rpm; Transmissão: câmbio de cinco marchas, transmissão por corrente; Quadro: Semi berço duplo; Suspensão: garfo telescópico (180 mm de curso na dianteira) e Monochoque na traseira (150 mm de curso);Freios: disco na dianteira (240 mm) e na traseira (220 mm) com ABS na dianteira; Rodas: aro 19" na dianteira com pneu 90/90 e aro 17" na traseira com pneu 110/90; Peso: 127 kg (seco); Capacidades: tanque 13,5 litros; Dimensões: comprimento 2.075 mm, largura 821 mm, altura 1.179 mm, altura do assento 836 mm, entre-eixos 1.358 mm

Volta rápida: nova Honda XRE 190 aposta no equilíbrio

Foto de: Redação