Governo segura IPI em patamar atual para não prejudicar (mais) as vendas

O ministro da Fazenda Guido Mantega acaba de anunciar, em reunião com o presidente da Anfavea, Luiz Moan, que o valor do IPI será mantido nos patamares atuais até dezembro. Inicialmente, o projeto do Governo previa que o imposto voltasse a subir a partir do dia 1o de julho, mas, com as vendas do setor em ritmo lento, optou por não alterar as alíquotas. Vale dizer que uma decisão que atrapalhasse a indústria e, consequentemente, a economia, poderia gerar impacto negativo na campanha de reeleição da presidente Dilma Rousseff. De acordo com Mantega, "as vendas mais fracas no primeiro semestre, a restrição de crédito e até a Copa do Mundo, que retirou sete dias úteis do mercado", foram os principais motivos que levaram o Governo a decidir, em parceria com a Anfavea, por não retomar os valores cheios do IPI. "Para viabilizar um segundo semestre melhor e o emprego na indústria, o IPI está mantido nos valores atuais até dezembro", disse o ministro.
Governo segura IPI em patamar atual para não prejudicar (mais) as vendas
Assim, a alíquota para carros com motor 1.0 flex, que deveria voltar a 7%, vai continuar em 3%. Para veículos como motor flex até 2.0, a alíquota retornaria para 11%, mas será mantida em 9%. Mesmo com os descontos, a indústria automobilística vem sofrendo com estoques elevados e produção reduzida. Em relação a maio do ano passado, foram produzidos 18% a menos de veículos no mesmo mês de 2014.

Governo segura IPI em patamar atual para não prejudicar (mais) as vendas

Foto de: Daniel Messeder