Volta rápida: de Audi A3 Sport pela Alemanha

Volta rápida: de Audi A3 Sport pela Alemanha
O título acima também poderia ser “de VW Golf VII pela Alemanha”, afinal ambos os carros possuem um parentesco latente desde a primeira geração do hatch da Audi, lançada em 1996. A plataforma compartilhada da vez é a polivalente MQB, notável pela sua capacidade de abrigar variados tipos de carros. O que é? Por se tratar de um dos carros-chefes quando o assunto é volume de vendas da Audi, a nova geração do A3 despertou curiosidade e nasceu com uma obrigação: ser boa de dirigir. Afinal, essa característica acompanha o hatch desde a sua criação. E, após rodar cerca de 200 km entre Munique e Ingolstadt, no sul da Alemanha, dá pra dizer que o comportamento dinâmico é a melhor qualidade do A3. A versão avaliada foi a Sport, de três portas, que deverá ser a primeira a desembarcar no Brasil, em meados de maio deste ano. O motor utilizado será o 1.8 TFSI, de 180 cavalos de potência e 28,5 kgfm de torque. A diferença para o atual 2.0 está na potência, inferior no 1.8. Entretanto, o torque é o mesmo, o que garante o vigor do carro em arrancadas. Está prevista a vinda também de um propulsor de 1,4 litro, de 140 cv e 25,5 kgfm, incorporando injeção direta e turbo, além de um sistema de desligamento dos cilindros. Quem usaria esse motor é a versão Sportback do carro, mais longa e com quatro portas, prevista para junho.
Volta rápida: de Audi A3 Sport pela Alemanha
A chegada do carro do Brasil gera curiosidade extra sobre qual será o preço praticado pela Audi. Recentemente admitida no Inovar-Auto, a fabricante terá um descontão de IPI na importação de quase 4 mil carros por um ano, o que permitiria à empresa trabalhar com preços mais competitivos para o A3 e bater de frente com a rival BMW e seu Série 1, que parte de R$ 89 mil. Outra possibilidade bastante concreta é fabricar o carro em São José dos Pinhais (PR), onde a Volkswagen possui uma planta. Executivos da Audi confirmaram que estudam essa ideia e que haveria boas chances do A3 ser feito juntamente com o Golf VII no local, sendo vendido aqui com motor flex derivado do projeto EA 211 da VW. Direto ao ponto: a nova geração do A3 ficou com um visual mais careta em relação ao modelo anterior. Os traços, de forma geral, parecem mais simples e menos ousados. Longe de ser feio: a impressão é a de que a Audi levou seu compacto para passear pela Suíça e o vestiu com trajes de algum colégio interno local. Ou seja: não sobrou muito espaço para inovação além do belo desenho dos LEDs que circundam os faróis dianteiros, não há pontos do A3 que resultem em suspiros. Resta aguardar a versão esportiva S3 e, talvez, a mais apimentada ainda RS3 para termos esse tempero visual extra no hatch.
Volta rápida: de Audi A3 Sport pela Alemanha
A neutralidade do exterior é, de certa maneira, reproduzida quando se entra no carro. O padrão de interior dos Audi é visto no A3, ou seja, o visual é sóbrio, porém com detalhes que transmitem requinte, como os apliques de metal circundando os comandos e as saídas de ar, além de um friso que divide o painel em dois andares. Ao se ligar o carro, a tela da central multimídia surge do centro da peça. É aquele tipo de coisa que você vai utilizar para ficar se exibindo quando for mostrar o carro para algum parente ou vizinho.
Volta rápida: de Audi A3 Sport pela Alemanha
Ademais, os bancos são confortáveis e o espaço é bom na frente. A boa ergonomia para o motorista é digna de nota. Já atrás o acesso é mais complicado pela presença de apenas duas portas. O espaço também não é dos melhores, mas para isso existe a versão Sportback. Como anda? Ali em cima citamos o comportamento dinâmico. Por bem: infelizmente não tivemos a oportunidade de ver como o hatch se comporta em uma sequência de curvas. Entretanto, nas alças de acesso das rodovias deu para notar que a carroceria se mantém equilibrada em curvas longas. É um bom indicativo. Já em linha reta, o A3 Sport deu show. É possível manter velocidades de cruzeiro de 180 km/h ou 200 km/h sem grandes problemas. Obviamente que isso só foi possível devido ao fato de que as Autobahnen alemãs possuem trechos sem limite de velocidade. E mesmo nessas velocidades, a rotação do motor permanecia baixa. Mérito da transmissão automatizada de dupla embreagem S-Tronic, que conta com sete marchas para gerenciar a força do motor.
Volta rápida: de Audi A3 Sport pela Alemanha
"Se o motor diminuiu de tamanho, o consumo também melhorou, certo?", você deve estar se perguntando. A Audi diz que o carro faz a média de 18 km/l. O test drive não foi feito nas melhores condições, com bastante frio, trechos urbanos com chuva e também devido à intenção de avaliar o desempenho do veículo, com acelerações mais agressivas do que o normal. Sob essas condições, ele marcou pouco mais de 11,5 km/l de média. Quanto custa? Com esse pacote, seria natural que o carro se desse bem quando chegasse ao Brasil. A questão que determinará isso, entretanto, é racional e costuma falar mais alto do que prazer ao dirigir ou potência. Trata-se do bolso do comprador, que, caso o carro não tenha preço competitivo, deverá arrastar seu dono até a concessionária BMW mais próxima. Não há nada definido nesse quesito, entretanto. Se eu fosse chutar, diria que o carro chega por um preço inicial um pouco abaixo dos R$ 100 mil. Pode ser arriscado palpitar isso, mas se a Audi não ousou no desenho, eu ouso no futurologia. Texto e Fotos Rodrigo Lara, de Munique, Alemanha Viagem a convite da Audi do Brasil

Volta rápida: de Audi A3 Sport pela Alemanha

Foto de: Rodrigo Lara