Feito no México, Golf dos EUA muda pouco em relação ao europeu

A Volkswagen apresenta no Salão de Nova York a versão norte-americana da sétima geração do Golf. Com produção na fábrica mexicana de Puebla já confirmada, o modelo começa a ser vendido a partir do ano que vem já como linha 2015 praticamente sem nenhuma diferença visual em relação ao exemplar europeu. A gama de motores, porém, é mais enxuta do que a presente no Velho Continente. A fabricação mexicana, inclusive, pode ser uma boa notícia para o Brasil, já que seria uma via mais rápida para a presença do carro no mercado nacional enquanto sua provável fabricação no Paraná não tem início.
Feito no México, Golf dos EUA muda pouco em relação ao europeu
As versões de entrada abandonam o conhecido cinco-cilindros 2.5 de 170 e passam a ser equipadas com um 1.8 TSI de iguais 170 cv e torque de 25,5 kgfm (0,9 kgfm a mais em baixas rotações). A transmissão pode ser manual ou automática, sempre com seis marchas. A Volkswagen diz ainda que o novo motor é mais econômico que o anterior, mas não divulgou números.
Feito no México, Golf dos EUA muda pouco em relação ao europeu
Os modelos a diesel trazem sob o capô um motor 2.0 TDI Clean Diesel com injeção direta commo-rail. Mais econômico e ecológico que o usado na geração passado, o bloco rende 150 cavalos (10 cv a mais) e 32,6 kgfm de torque. O câmbio padrão é manual de seis marchas, mas uma caixa DSG de dupla embreagem é oferecida como opcional.
Feito no México, Golf dos EUA muda pouco em relação ao europeu
A configuração topo de linha será a versão GTI, alimentada por um propulsor 2.0 TFSI de 213 cavalos e 35,6 kgfm de torque. Assim como no modelo a diesel, a caixa padrão é manual de seis velocidades e a DSG de dupla embreagem fica como opcional.
Feito no México, Golf dos EUA muda pouco em relação ao europeu
Toda a linha, incluindo as versões básicas, terá de série bloqueio eletrônico do diferencial para otimizar a tração e a estabilidade.
Feito no México, Golf dos EUA muda pouco em relação ao europeu

Feito no México, Golf dos EUA muda pouco em relação ao europeu

Foto de: Dyogo Fagundes