Teste: Mercedes B200 e Peugeot 3008 garantem diversão em família

Teste: Mercedes B200 e Peugeot 3008 garantem diversão em família
Carros de família normalmente têm um problema: agradam mais à prole do que quem paga por ele - e vai dirigi-lo em todos os compromissos com a turma. O maior espaço interno e a maciez das suspensões em geral levam embora parte daquela agilidade e comportamento que você curtia no carro que tinha antes de ter filhos. Mas, se o seu orçamento não ficou apertado mesmo após a chegada dos pequenos, há escolhas que não renunciam ao prazer de dirigir e vão deixar a molecada confortável e entretida. É o caso do novo Mercedes Classe B, que se junta ao Peugeot 3008 na seleta casta de familiares não caretas. Vamos dar uma volta?
Teste: Mercedes B200 e Peugeot 3008 garantem diversão em família
De início, ambos têm charme para convencer a patroa. Você pode dizer a ela que o B200 é claramente uma minivan e que o 3008 é tipo um jipinho, daqueles que a mulherada adora dirigir por causa da posição elevada ao volante. Abra as portas e mostre a ampla cabine de cada um. No Mercedes há espaço de sobra para as pernas e o teto fica bem distante da cabeça, mesmo no banco traseiro. O Peugeot é um pouco mais compacto internamente, mas tem o assoalho traseiro plano (bom para acomodar três atrás) e cortininhas nas janelas traseiras. Além disso, traz um super teto de vidro (a molecada adora!) e no porta-malas há diversos truques, como uma prateleira que pode ser colocada em três níveis e uma lanterninha destacável - sem contar a tampa que abre em duas partes, uma para cima e uma para baixo (esta como a caçamba de uma picape). A capacidade é boa: 432 litros. O Classe B não traz mimos no compartimento de cargas, mas o que não falta é lugar pra bagagem: 486 litros. E ambos os carros têm fixação Isofix para cadeirinhas.
Teste: Mercedes B200 e Peugeot 3008 garantem diversão em família
Agora que você já sabe o que contar para sua mulher, vamos aos seus amigos. Para eles você diz que o Mercedes é um hatch de teto alto e que o Peugeot é um crossover com características de esportivo. Não cola? Então toma essa: o B200 deixa você colocar o banco do motorista lá embaixo, tem borboletas para trocas de marcha na direção e vem com rodas aro 18" (de acabamento preto e cromado) que ficariam bem em qualquer "GT" da vida, além de ter suspensão rebaixada e amortecedores auto-ajustáveis nessa versão Sport testada. Já o 3008 traz painel estilo cockpit (com uma barra típica de esportivo dividindo motorista e passageiro) e um head-up display que reproduz digitalmente o velocímetro no para-brisa (coisa de BMW M5), sem falar no "Dynamic Rolling Control", um sistema hidráulico que funciona como se fosse um terceiro amortecedor central, equilibrando a carga de pressão nos amortecedores traseiros durante as curvas. O resultado? A carroceria tem inclinação contida e deixa o "Peugeotzão" bem mais dinâmico do que você esperaria de um carro familiar.
Teste: Mercedes B200 e Peugeot 3008 garantem diversão em família
Família turbinada Tanto o alemão quanto o francês são equipados com motores turbo de 1.6 litro e injeção direta. O do 3008 você já viu por aqui em diversos carros, do Citroën DS3 ao BMW 118i - o propulsor é filho de um projeto conjunto entre PSA e BMW. Já o do B200 é o mesmo que está debaixo do capô do Classe A. Números frios deixam a coisa quase empatada, com 165 cv de potência e 24,5 kgfm de torque no Peugeot, contra 156 cv e 25,5 kgfm do Mercedes. Mas o Classe B leva vantagem na transmissão automatizada de sete marchas e dupla embreagem (com alavanca na coluna de direção, que requer certo costume), além de ser um carro mais leve, com 1.425 kg. O 3008 usa transmissão automática convencional, de seis marchas, e pesa 1.555 kg.
Teste: Mercedes B200 e Peugeot 3008 garantem diversão em família
Nas medições CARPLACE, o Mercedes deu show de eficiência: chegou aos 100 km/h em 8,9 s, se recuperou de 80 a 120 km/h em 6,8 s e ainda conseguiu um consumo médio de 13,2 km/l - lembrando que só ele tem o sistema start-stop que desliga o motor em breves paradas, dentro do conceito BlueEfficiency da Mercedes. O Peugeot também mandou bem, mas ficou um pouco aquém do germânico: 9,7 s até 100 km/h, iguais 6,8 s na retomada e 10,8 km/l de consumo médio entre cidade e estrada.
Teste: Mercedes B200 e Peugeot 3008 garantem diversão em família
Na vida real, porém, o B200 apresenta o mesmo problema de câmbio do Classe A: falta um modo intermediário entre o econômico e o esportivo. No primeiro, o carro às vezes dá trancos nas reduções e perde muito da vivacidade, a ponto de o editor-assistente Rodrigo Lara achar que o 3008 andava mais que o Mercedes, numa condução normal. Não anda, como vimos pelos testes, mas dificilmente você vai ficar dirigindo por aí no modo esportivo, que deixa o Classe B agressivo demais (só muda marcha com o giro lá em cima) e gasta mais combustível. Já o 3008 tem uma receita mais, digamos, "meio-termo": não é tão econômico no modo normal do câmbio, mas também não precisa estar no modo esportivo para responder bem ao acelerador. A transmissão apresenta escalonamento correto e, no geral, oferece mudanças suaves. Trocas manuais? Só pela alavanca.
Teste: Mercedes B200 e Peugeot 3008 garantem diversão em família
O apelo de "vamos agradar ao papai" dessa dupla pode ser sentido também diante de uma estrada sinuosa. Pelas leis da física, teto alto eleva o centro de gravidade, certo? Pois então Mercedes e Peugeot não tiveram dúvidas: suspensões firmes! Você pode entrar um pouco mais rápido do que deveria nas curvas com o 3008 e, principalmente, com o B200 que não vai se assustar. Ambos mantêm a carroceria sem grandes balanços e, no caso do Mercedes, o carro fica praticamente "socado" no chão, gerando uma confiança típica de hatch, apesar do jeitão minivan. O Peugeot ainda investe numa direção mais pesada (eletro-hidráulica), enquanto o volante do Classe B é levinho nas manobras (assistência elétrica) e fica mais firme conforme a velocidade aumenta.
Teste: Mercedes B200 e Peugeot 3008 garantem diversão em família
O lado ruim da boa dinâmica desses carros aparece ao menor sinal de desnível no piso. Os dois são duros, transmitem as imperfeições para dentro da cabine, dão pancadas secas em buracos mais profundos e, além disso, são barulhentos quando fora do asfalto lisinho. No chão de paralelepípedos onde fizemos as fotos desta reportagem, foi possível ouvi-los reclamando dos "maus tratos", com saudades do solo europeu para o qual foram concebidos. Para carros de família, tanto o alemão quanto o francês deixam a desejar no quesito maciez. O preço da estrela Semelhantes no conceito e na mecânica, B200 e 3008 se afastam quando o assunto é orçamento. O Peugeot tem preço para deixar na dúvida quem está de olho num sedã médio mais completo, com valores a partir de R$ 83.990 na versão Allure - já equipada com seis airbags, ABS e ESP, ar digital de duas zonas com saída traseira, compartimento refrigerado no console central, sensor de estacionamento traseiro e sistema de som com Bluetooth e entrada USB. Já a versão Griffe aqui avaliada, de R$ 91.490, acrescenta coisas bacanas como o teto panorâmico, as cortininhas das janelas traseiras, o couro nos bancos, o navegador por GPS e os sensores crepuscular e de chuva, além dos retrovisores eletricamente rebatíveis.
Teste: Mercedes B200 e Peugeot 3008 garantem diversão em família
Já o Classe B cobra o preço da estrela encrustada no centro da grade. Apesar de retirada de alguns equipamentos para deixar o preço mais próximo ao de carros de marcas generalistas (o B200 não tem nem sensor de estacionamento traseiro), o monovolume alemão custa a partir de R$ 104.900 - trazendo sete airbags (frontais, laterais, de cortina e para os joelhos do motorista), monitoramento da pressão dos pneus, ar-condicionado automático, ESP, rodas aro 16" e o sistema start/stop. Mas a configuração topo de linha B200 Sport testada por nós sai por R$ 115.900, acrescentando rodas aro 18", suspensão esportiva com amortecedores adaptativos, tela central para o sistema de entretenimento (sem GPS), faróis bi-xênon com LEDs e bancos de couro.
Teste: Mercedes B200 e Peugeot 3008 garantem diversão em família
Como não se trata de um comparativo, a decisão fica com você (e seu bolso). O 3008 tem obviamente uma relação custo-benefício mais tentadora, enquanto Mercedes oferece uma cabine mais refinada em termos de acabamento e apresentação, além do status superior. Mas, seja qual for o escolhido, uma coisa é certa: papai e mamãe vão se divertir ao volante! Por Daniel Messeder Fotos Rodrigo Lara e Luís França Ficha técnica – Mercedes Classe B200 Motor: dianteiro, transversal, quatro cilindros, 1.595 cm3, 16 válvulas, comando duplo; injeção direta e turbo; Potência: 156 cv a 5.300 rpm; Torque: 25,5 kgfm de 1.250 a 4.000 rpm; Transmissão: câmbio automatizado de sete marchas, dupla embreagem, tração dianteira; Direção: elétrica; Suspensão: Independente Mac Pherson na dianteira e four-link na traseira; Rodas: aro 18 com pneus 225/40 R18; Freios: discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira, com ABS; Peso: 1.425 kg; Porta-malas: 486 litros; Dimensões: comprimento 4.359 mm, largura 1.786 mm, altura 1.558 mm, entreeixos 2.699 mm Medições CARPLACE Aceleração 0 a 60 km/h: 4,2 s 0 a 80 km/h: 6,3 s 0 a 100 km/h: 8,9 s Retomada 40 a 100 km/h em Drive: 7,0 s 80 a 120 km/h em Drive: 6,8 s Frenagem 100 km/h a 0: 40,0 m 80 km/h a 0: 24,0 m 60 km/h a 0: 13,4 m Consumo Ciclo cidade: 10,7 km/l Ciclo estrada: 15,8 km/l Números do fabricante Aceleração 0 a 100 km/h: 8,4 s Consumo cidade: N/D Consumo estrada: N/D Velocidade máxima: 220 km/h Ficha técnica - Peugeot 3008 Motor: dianteiro, transversal, quatro cilindros, 1.598 cm3, 16 válvulas, injeção direta e turbo; Potência: 165 cv a 6.000 rpm; Torque: 24,5 kgfm a 1.400 rpm; Transmissão: câmbio automático de seis marchas, tração dianteira; Direção: eletro-hidráulica; Suspensão: Independente Mac Pherson na dianteira e eixo de torção na traseira; Rodas: aro 17 com pneus 225/50 R17; Freios: discos ventilados na dianteira, sólidos na traseira, com ABS; Peso: 1.555 kg; Porta-malas: 432 litros; Dimensões: comprimento 4.365 mm, largura 1.837 mm, altura 1.635 mm, entreeixos 2.613 mm; Medições CARPLACE Aceleração 0 a 60 km/h: 4,3 s 0 a 80 km/h: 6,8 s 0 a 100 km/h: 9,7 s Retomada 40 a 100 km/h em Drive: 7,0 s 80 a 120 km/h em Drive: 6,8 s Frenagem 100 km/h a 0: 41,2 m 80 km/h a 0: 24,8 m 60 km/h a 0: 13,6 m Consumo Ciclo cidade: 8,2 km/l Ciclo estrada: 13,5 km/l Números do fabricante Aceleração 0 a 100 km/h: 9,5 s Consumo cidade: 8,8 km/l Consumo estrada: 11,1 km/l Velocidade máxima: 202 km/h

Teste: Mercedes B200 e Peugeot 3008 garantem diversão em família

Foto de: Daniel Messeder