Carros para sempre: esportivos nacionais da década passada que deixaram saudades

Hoje reduzidos a poucas opções, os esportivos fabricados no Brasil foram mais presentes nas décadas passadas. Devido a baixa demanda e alto preço cobrado nestas versões, as montadoras praticamente deixaram de produzir localmente os modelos do tipo. A partir daí, começaram a investir em carros com visual agressivo, mas sem alterações mecânicas, deixando órfãos os fãs dos esportivos de verdade. Confira nesta lista alguns dos esportivos dos anos 2000 que deixaram saudades. Fiat Stilo Abarth 2.4 20V Diferente do que aconteceu com o Tipo e o Brava, que chegaram aqui muitos anos após o lançamento na Europa, com o Stilo a Fiat foi mais ágil e trouxe o modelo com apenas um ano de atraso. Além das versões 1.8 8V e 16V, a marca trouxe a esportiva Abarth, com visual discreto, mas que escondia sob o capô o motor cinco cilindros 2.4 20V de 167 cv e torque máximo de 22,8 kgfm. O desempenho era muito bom, com com aceleração de 0 a 100 km/h em 8,4 segundos e máxima de 212 km/h. Destaque para os oito airbags e controles de tração e estabilidade, itens que eram raros no segmento.
Carros para sempre: esportivos nacionais da década passada que deixaram saudades
Fiat Marea Turbo 2.0 20V Turbo Vendida entre 1999 e 2007, a versão mais potente e equipada do Marea estava disponível para o sedã e a perua. Equipado com motor 2.0 20V sobrealimentado de 182 cv e 27 kgfm de torque máximo, o Marea Turbo foi considerado um dos melhores nacionais e fazia bonito inclusive frente aos importados da época. De acordo com a Fiat, acelerava de 0 a 100 km/h em 7,4 segundos e chegava a 227 km/h de velocidade máxima.
Carros para sempre: esportivos nacionais da década passada que deixaram saudades
Volkswagen Golf GTI 1.8 Turbo Compartilhando a plataforma do "primo" Audi A3, o Golf ficou muito mais refinado na quarta geração, que veio da Alemanha a partir de 1998 e começou a ser produzida aqui no ano seguinte. Equipado com motor 1.8 20V turbo de 150 e 21,4 kgfm e posteriormente com 180 cv e 23,9 kgfm, o atualizado GTI Turbo acelerava de 0 a 100 km/h em 7,3 segundos e alcançava 227 km/h de velocidade máxima. Na reestilização de 2007, passou a 193 cv quando abastecido com gasolina de alta octanagem.
Carros para sempre: esportivos nacionais da década passada que deixaram saudades
Volkswagen Golf GTI 2.8 VR6 Exclusivo, ele teve apenas 99 unidades disponíveis somente no ano de 2003. Produzido em São José dos Pinhais (PR), o Golf VR6 usava o motor 2.8 V6 importado da Alemanha. Com potência de 204 cv e torque máximo de 27,5 kgfm, o esportivo era insuperável entre os hatches médios. Seu visual se diferenciava pelas belas rodas aro 17" e a carroceria duas portas. Mas custava muito caro para a época, praticamente o dobro do preço da versão GTI normal.
Carros para sempre: esportivos nacionais da década passada que deixaram saudades
Chevrolet Astra GSi 2.0 16V A Chevrolet resgatou a sigla GSi, usada nos anos 90 nas versões de topo do Vectra e Corsa, e a aplicou na versão esportiva do Astra. Com 136 cv e torque máximo de 19,2 kgfm, este foi o Astra mais potente movido a gasolina no mercado nacional. Para se diferenciar do Astra Sport que tinha visual esportivo e usava o mesmo motor 2.0 8V dos demais modelos da linha, a GM optou pelo 2.0 16V que equipava as versões de topo da Zafira. Graças ao peso menor, o Astra pôde desfrutar de desempenho mais interessante nesta versão.
Carros para sempre: esportivos nacionais da década passada que deixaram saudades
Audi A3 1.8 Turbo O Audi A3 marcou o retorno da marca aos carros compactos, e começou a ser produzido aqui em 1999. Graças ao belo design, construção caprichada e ao bom motor 1.8 20V turbo, no início com 150 cv e a partir de 2002 com opção de 180 cv (tinha o logotipo "T" vermelho na traseira), ele se tornou um dos esportivos nacionais mais desejados, ao lado de Golf GTI e Marea Turbo. Trazia câmbio manual de cinco marchas ou automático Titronic com botões para trocas no volante.
Carros para sempre: esportivos nacionais da década passada que deixaram saudades
Honda Civic Si 2.0 Versão mais potente do Civic vendida em nosso mercado, o Si esteve presente de 2007 a 2011 e fazia a alegria dos entusiastas com seu girador motor 2.0 16V aspirado de 192 cv a 7.800 rpm e torque de 19,2 kgfm a 6.100 rpm. Era o mesmo propulsor usado nos Si cupê e sedã norte-americanos. O visual contava com rodas aro 17", spoiler dianteiro, saias laterais e aerofólio. No interior, bancos envolventes, pedaleiras esportivas e iluminação dos instrumentos na cor vermelha. Com câmbio manual de seis marchas e engates curtinhos, além da suspensão enrijecida, chegava aos 100 km/h em 7,9 s.

Carros para sempre: esportivos nacionais da década passada que deixaram saudades

Foto de: Julio Cesar