Cientistas britânicos produzem gasolina a partir de bactéria

Fabricar gasolina e compostos similares utilizando bactérias geneticamente modificadas não é exatamente uma novidade. A questão é que, no caso da gasolina, o produto resultante desse processo não era possível de ser utilizado em um motor a combustão convencional, já que ele causava o entupimento prematuro dos bicos injetores. Essa realidade mudou com a descoberta da equipe do cientista John Love, da Universidade de Exeter, no Reino Unido. O grupo criou uma variante da bactéria Escherichia coli que é capaz de criar gasolina com uma estrutura idêntica à do combustível vendido nos postos. O estudo contou com investimentos do departamento de pesquisa da Shell, o que pode dar um indício de que essa opção é viável. O procedimento consiste em misturar genes de uma árvore de cânfora, de bactérias do solo e de algas com os da bacteria E. coli. Em seguida, a bactéria é alimentada com glicose vegetal. Como resultado final desse processo, era obtida a gasolina. O grande desafio agora é produzir o combustível em larga escala. Para tal, a equipe de pesquisa procura outros possíveis alimentos para a bactéria que não seja a glicose vegetal. Uma das possibilidades estudadas é utilizar fezes animais para esse fim.