Santa Catarina sofre com falta de combustível

Os motoristas de Santa Catarina começaram o ano com uma surpresa: dificuldade em encontrar combustíveis. Enquanto o Brasil bate recordes de vendas de automóveis novos, a infra-estrutura geral não acompanha a demanda. Falando especificamente de combustíveis, a região metropolitana de Florianópolis já havia passado por problemas em novembro e dezembro por problemas na logística das distribuidoras. Nesta quinta-feira, 03 de janeiro, 14 postos da BR Distribuidora, da Petrobras, amanheceram na quarta-feira sem gasolina, álcool e diesel S-50 reflexo de um "racionamento" imposto pela própria distribuidora. Os proprietários dos postos fizeram pedidos, mas a distribuidora cancelou metade. Entre as causas apontadas para o racionamento estão a baixa produção do álcool anidro, o qual compõe 20% da gasolina. Já os casos do etanol e diesel, a justificativa é que devido à baixa demanda, os estoques estavam estavam baixos. Outra causa atribuída é o aumento do consumo na região litorânea devido às férias e chegada de turistas, mesmo que o reflexo seja uma redução de 20% nas demais regiões. Agência Nacional de Petróleo admite falha de distribuição Ainda na quinta-feira, a Agência Nacional de Petróleo (ANP) divulgou uma nota informando que a origem da falta de combustíveis em Santa Catarina foi porque "os estoques do sistema de distribuição não conseguiram dar conta do maior consumo de combustível". A ANP também admitiu "dificuldades na chegada do etanol ao Estado, tanto o anidro como o hidratado". A expectativa, tanto da ANP, como dos distribuidores é de que a situação seja normalizada em no máximo duas semanas. Em São Paulo, em março do ano passado, uma retaliação dos caminhoneiros à uma restrição de circulação na Marginal Tietê em São Paulo também causou desabestecimento. Aproveitando toda a confusão, alguns postos que ainda tinham combustível aumentaram o preço do litro da gasolina para até R$ 5,00. Fontes: Diário Catarinense / ANP