Um Salão de Genebra marcado pela crise

Os grandes lançamentos estiveram presentes na edição 2012, mas o Salão do Automóvel de Genebra, um dos mais importantes do mundo, ficará marcado pela crise europeia. Diante do declínio nas vendas as montadoras do Velho Continente se voltarão para os mercados emergentes, em forte expansão. De acordo com Matthias von Wissmann, presidente da Federação Alemã da Indústria (VDA), a crise da dívida pública de alguns países fará com que o mercado de automóveis na Europa Ocidental recue 5%, para 12,1 milhões de unidades. De encontro a essa constatação está o crescimento global da indústria automobilística, que continuará a evoluir num ritmo de 4% por conta dos mercados norte-americano, chinês e japonês.
Um Salão de Genebra marcado pela crise
Conforme o executivo, embora a Alemanha mantenha um crescimento moderado isso não será suficiente para livrar a Europa de críticas. E, se a Volkswagen se conserva otimista – prevendo bater o recorde do ano passado -, Toyota, Fiat e Chrysler seguem o caminho inverso. “Estamos cautelosos porque acreditamos que há uma grave crise de confiança dos clientes europeus”, explicou Didier Leroy, responsável pela marca no continente. Outra montadora que enxerga sinais positivos é a GM. Mas apenas para a América do Norte, cujo mercado automotivo tem se comportado de acordo as expectativas. Por Michelle Sá / Fonte: Agência Financeira Portugal

Um Salão de Genebra marcado pela crise

Foto de: Michelle Sá