Montadoras reduzem incentivos nos Estados Unidos

O início de 2011 foi saudado com muita expectativa pela indústria automotiva norte-americana uma vez que, desde 2003, o país não acompanhava uma expansão tão forte.Os resultados indicavam a crescente confiança dos consumidores locais na recuperação econômica e demonstravam uma forte demanda quanto às vendas de veículos que, durante alguns anos, mantiveram-se em queda forçando montadoras a reestruturarem suas políticas internas enquanto outras pediam concordata. Passada a euforia provocada pelo aumento nas vendas, diversas montadoras reduziram, em maio, os incentivos dados aos clientes para a aquisição de automóveis. As maiores reduções ficaram por conta das fabricantes japonesas. Honda, Nissan e Toyota – 29%, 28% e 27%, respectivamente. Entre as montadoras ocidentais, a Ford foi quem mais reduziu seus incentivos (20%), seguida pela Chrysler (18%) e GM (17%). Quanto ao último mês, GM e Ford foram as fabricantes que comunicaram leves baixas no tocante às vendas de veículos, em decorrência dos cortes que levaram alguns consumidores a adiarem suas compras. Em relação aos 222.305 carros vendidos no mesmo período de 2010, a General Motors registrou uma queda de 0,5% no mês passado - quando vendeu pouco mais do que 221 mil veículos. O recuo da Ford foi de 0,1%. Em maio, a marca comercializou 192.102 automóveis e caminhões contra os 192.253 carros vendidos anteriormente. Por: Michelle Sá / Fonte: Autonews / Reuters