Chery QQ: Impressões ao dirigir o compacto mais barato do Brasil

Chery QQ: Impressões ao dirigir o compacto mais barato do Brasil
Na tarde de quinta-feira (28), logo após a coletiva de imprensa, tivemos a oportunidade de dirigir o Chery QQ num curto trecho urbano no Rio de Janeiro. Confira as impressões ao dirigir o chinês que chega com o título de ˜carro mais barato do Brasil".
Chery QQ: Impressões ao dirigir o compacto mais barato do Brasil
Clique nas imagens para ver em alta resolução. Muitos dos participantes presentes logo de cara e na frente dos representantes da marca começaram a criticar o modelo. Sem dúvida, para quem já possui um veículo, o QQ é extremamente básico e deixa a desejar em muitos quesitos. No entanto, nos colocando no lugar do público alvo deste modelo, brasileiros da Classe C que andam de ônibus e que agora têm a possibilidade de comprar seu primeiro carro para uso "urbano", o QQ é uma opção bem interessante. Ao entrar no QQ, a primeira impressão é boa: bancos confortáveis, boa visibilidade, painel simples e moderno com velocímetro e indicadores digitais. O console central, que foi modificado para cor escura (a versão original era clara) combinou com o restante do painel e atende o gosto do consumidor brasileiro. Ao ajustar o banco, começamos a perceber que estamos num carro de projeto simples e barato: a alavanca de ajuste é pequena e um tanto quanto fina. Grandes frestas e peças com rebarba podem ser facilmente encontradas no console. Vidros elétricos nas quatro portas e ajuste dos retrovisores também com comando elétrico são itens disponíveis que mostram que é possível tê-los em qualquer carro: tapa na cara das tradicionais que oferecem o item apenas nas portas dianteiras em muitos carros médios e premium. Ao ligar o carro, o acompanhante da Chery logo avisa: "cuidado com a embreagem que ela é baixíssima". Na primeira tentativa de sair, o carro morreu. Entendido. A embreagem é baixíssima mesmo. Aprendida a primeira característica, saímos pelo trânsito do Rio de Janeiro rumo ao Pão de Açúcar. Num pequeno trecho, um pouco de anda e para: embreagem leve, é preciso costume para andar e parar seguidamente. O câmbio não é um exemplo de precisão, mas também não faz feio. O ar condicionado gela rapidamente e o sistema de som é eficiente.
Chery QQ: Impressões ao dirigir o compacto mais barato do Brasil
Ao andar pelas largas avenidas com um pouco mais de velocidade, novamente o carro mostra sua vocação essencialmente urbana. Aos 90 km/h, o QQ demonstra um certo balanço, resultado da sua suspensão mole e das pequenas rodas de 13 polegadas. Forçando um pouco mais, o carro tende a flutuar. O ruído do motor invade a cabine, mas acima de 90 km/h, a situação fica pior. Em buracos, valetas e irregularidades diversos barulhos são ouvidos internamente, resultado do pouco tratamento acústico (resultado do baixo custo).
Chery QQ: Impressões ao dirigir o compacto mais barato do Brasil
O seu motor 1.1 de 16 válvulas de 68 cavalos de potência casa muito bem o carro. Suas respostas são ágeis no trânsito e consegue entregar uma boa velocidade rapidamente. Mais uma vez, o carro lembra sua vocação urbana: segundo a Chery, a velocidade máxima é de 120 km/h. No trajeto urbano que fizemos, por questões dos limites locais, não foi possível "testar" o carro nessa velocidade.
Chery QQ: Impressões ao dirigir o compacto mais barato do Brasil
A direção hidráulica cumpre com eficiência o seu papel e os freios com ABS e EBD são os destaques do modelo: a frenagem de emergência é feita com muita segurança. O espaço interno é bom, as portas possuem revestimento parcial em tecido e o banco traseiro é bipartido (60/40), o que facilita o acesso ao porta-malas. Vocação urbana mais uma vez à tona: capacidade do porta-malas de apenas 190 litros.
Chery QQ: Impressões ao dirigir o compacto mais barato do Brasil
Voltando ao quadro de instrumentos, alguns pontos merecem destaque. O primeiro destaque é o velocímetro digital de grandes proporções que permite a leitura de forma fácil. De cor azul, é possível ajustar o seu brilho (aumentar/diminuir). O Chery QQ também conta com computador de bordo, o qual mostra dados como consumo instantâneo e a média geral. Como o trajeto foi curto, não consideramos os valores apresntados.
Chery QQ: Impressões ao dirigir o compacto mais barato do Brasil
Assim como o compatriota chinês JAC J3, a trava elétrica das portas é acionada (aberta/fechada) somente através do pino na porta do motorista. Para abrir qualquer porta, somente é possível depois do motorista "liberar" as demais puxando o pino de sua porta. Outro mimo é o sistema interno de abertura do porta-malas e do reservatório de combustível: nada de entregar a chave ao frentista para abastecer. O carro que testamos era de cor verde. Nas ruas com intensas movimentações de pedestres, o QQ chamou muito a atenção - pela novidade - e também pelo tom da cor. No geral, o Chery QQ possui muitas limitações que não estão presentes em carros cerca de R$ 5 mil mais caros, mas que não oferecem uma lista de itens de série tão generosa quanto ao do modelo chinês. Pensando no público do modelo de sua vocação extremamente urbana, o carro atende bem às necessidades básicas de transporte com relativa segurança em condução comedida no trânsito. É sem dúvida uma opção interessante como "verdadeiro carro de entrada". Por: Fábio Trindade *Viagem a convite da Chery

Chery QQ: Impressões ao dirigir o compacto mais barato do Brasil

Foto de: Fábio Trindade