Teste instrumentado Mitsubishi Eclipse Cross: O próximo catalano

Em 1989, nasceu o Mitsubishi Eclipse. Algumas unidades da primeira geração até foram vendidas no Brasil mas em 1994 a segunda geração foi lançada e, essa sim, ficou mais popular a ponto de tornar-se objeto de desejo dos anos 1990. Com a febre do primeiro Velozes e Furiosos (quem não lembra do Eclipse verde de Brian O'Connor?), evoluiu para carro de coleção. Só que, em 2012, já na quarta geração e não tão popular, deixou de ser produzido. 

A homenagem a esta lenda veio em forma de SUV. O Eclipse Cross, por enquanto importado do Japão mas já em processo para produção em Catalão (GO) no segundo semestre de 2019, fica posicionado entre o ASX e o Outlander, que foram renovados recentemente. Mas mesmo com motor turbo e tração integral, é uma boa forma de homenagear um coupé esportivo?

Mitsubishi Eclipse Cross
Mitsubishi Eclipse Cross
Mitsubishi Eclipse Cross

Embora a plataforma do Eclipse Cross seja a mesma do ASX (a GS, que foi compartilhada até com a PSA e Chrysler, utilizada no Jeep Compass da geração anterior, pré-FCA), não podemos dizer o mesmo do conjunto mecânico, e isso é bom. Ele estreia o motor 1.5 turbo (4B40) da empresa, um moderno 4 cilindros com dupla injeção (direta e indireta), variador de fase nos comandos de admissão e escape, e turbo. São 165 cv e 25,5 kgfm de torque de 2.000 a 3.500 rpm. Trabalhando com ele está um novo câmbio CVT com simulação de oito marchas, bem diferente do conjunto d...