Até agora, há mais marcas ausentes do que confirmadas

A pergunta do momento é: o Salão do Automóvel de São Paulo 2020 vai realmente acontecer? Isso é o que está sendo discutido nos bastidores da indústria, com reuniões entre as fabricantes, a Reed Exhibition Alcântara Machado (organizadora do evento) e a Anfavea (associação das fabricantes de veículos). A Reed tenta reverter a situação com novas propostas para que as marcas revejam seu posicionamento e participem da edição deste ano – o que parece não estar dando certo. É o que discutimos nesta edição do podcast:

 

Participam desta edição:

Ouça nosso Podcast gratuitamente nas plataformas

Entenda do caso

Motor1.com conversou com diversas fabricantes e elas revelaram que participaram de uma reunião com a Reed e a Anfavea, na qual a organizadora apresentou 10 propostas diferentes para viabilizar a participação das empresas no Salão do Automóvel. Embora algumas tenham levado o projeto para ser analisado, a recepção teria sido bem fria por não resolver o problema principal: custos altos sem retorno em vendas.

Oficialmente, apenas Fiat-Chrysler (com Fiat, Jeep, Dodge e Ram), Ford (com a Troller), Nissan, Renault e Volkswagen confirmam sua participação no evento. Audi, Grupo Caoa (Chery, Hyundai-Caoa e Subaru), Honda, HPE Automóveis (Mitsubishi e Suzuki), Lifan, Kia, Mercedes-Benz e Porsche ainda estudam se estarão no Salão deste ano. Procuradas por Motor1.com, algumas fabricantes como Fiat-Chrysler, Ford e Nissan dizem que nada mudou e que irão no evento. A Mercedes-Benz relata que ainda discute a proposta da Reed e que precisa falar com a matriz para alinhar a estratégia sobre Salões globais.

Nos bastidores, o papo é outro e algumas marcas estão realmente revendo sua participação. A saída de grandes nomes como BMW, Chevrolet, Hyundai e Toyota aliviou a pressão para que outras estivessem no evento, principalmente em uma época que todas discutem reduções de gastos. Outras fabricantes estavam com um pé do lado de fora e só aguardavam por uma mudança no posicionamento da Reed.

Galeria: Salão do Automóvel de São Paulo 2018

Os motivos para a debandada do Salão do Automóvel são simples. O primeiro dele é o custo para participar do evento, ao somar o preço do m² no São Paulo Expo, a estrutura do estande (montagem e equipamentos), equipe para trabalhar na feira e mais. Os números levantados por Motor1.com são de valores entre R$ 4 milhões e R$ 20 milhões.

A segunda razão, ligada também à parte financeira, é o retorno por estar no evento. As empresas não podem vender carros sem envolver os concessionários, o que exigiria ainda mais pessoas dentro do estande e iria gerar um problema para escolher quais concessionárias que poderiam fazer as vendas. Também há o argumento de que as novidades mostradas perdem impacto por conta da quantidade de notícias geradas ao mesmo tempo – então não há espaço o suficiente na mídia.

Sendo assim, o único motivo seria o ganho de imagem com possíveis clientes. Só que as fabricantes argumentam que há outras maneiras de conseguir isso e gastando menos, com o investimento em eventos próprios. Um exemplo é o BMW M Power Tour, no qual a marca alemã convida clientes para guiar os esportivos em autódromos. A Mercedes-Benz faz o mesmo com o AMG Experience.

O outro lado

Em nota, a Reed Exhibitions afirma estar criando novas formas de conectar as marcas ao consumidor e oportunidades melhores de interação. Um dos pontos destacados pela organização é o incentivo às vendas de veículos aos clientes durante o evento, que era uma das grandes críticas das fabricantes.

Realizaremos investimentos sem precendentes para garantir que as marcas tenham cada vez mais retorno. Temos trabalhado em novos conceitos, projetos e ações que permitam aos expositores participarem dentro de formatos mais adequados às suas estratégias, prestigiando assim os seus fãs atuais e os próximos compradores.

Confira quem estará e quem não estará no Salão do Automóvel:

Confirmadas

  • Fiat-Chrysler (Fiat, Jeep, Dodge e Ram)
  • Ford
  • Nissan
  • Renault
  • Volkswagen
  • Troller

Ausentes

  • BMW
  • Chevrolet
  • Citroën
  • Hyundai
  • JAC Motors
  • Jaguar
  • Land Rover
  • Lexus
  • Mini
  • Peugeot
  • Toyota
  • Volvo

Não confirmadas

  • Audi
  • Caoa (Chery, Hyundai e Subaru)
  • Honda
  • HPE Automóveis (Mitsubishi e Suzuki)
  • Lifan
  • Kia
  • Mercedes-Benz
  • Porsche
  • Via Itália (Ferrari, Lamborghini, Maserati e Rolls-Royce)